Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 16h:42

Tamanho do texto A - A+

Ministro quer que PGR investigue possível falha da PF em perícia de celulares apreendidos

Por: REDAÇÃO

A defesa de Blairo Maggi protocolou, nesta quinta-feira (13), no Supremo Tribunal Federal (STF) a perícia complementar do Instituto Brasileiro de Peritos atestando, tecnicamente, que o ministro não apagou mensagens de seu celular. 

 

Abdala Zarour

Blairo maggi

 Ministro quer investigação sobre exclusão de mensagens

O documento, assinado por quatro, peritos mostra que Blairo Maggi não tinha instalado em seus dispositivos a  ferramenta conhecida como “WhatsApp Web Desktop”, única forma de apagar mensagens remotamente. Ou seja, as mensagens foram apagadas depois da apreensão do aparelho,  já em posse da Polícia Federal.

 

Segundo  o advogado Fábio Galindo, o fato é gravíssimo e merece imediata apuração pois o caso revela que há a possibilidade de erro de procedimentos ou a prova forjada.

 

“Acredito que a Procuradoria-Geral da República, sempre firme no cumprimento de seu dever, vai instaurar a competente investigação e apurar a autoria e circunstâncias  desse gravíssimo fato. Um fato dessa natureza inegavelmente coloca em xeque a investigação, sendo fundamental que se esclareça rapidamente o ocorrido”, afirma o jurista.

 

Em nota, a assessoria de Maggi afirmou que desde o princípio o ministro rechaçou veementemente a acusação, tendo disponibilizado seu aparelho e todas as senhas às autoridades competentes. “A Perícia mostra o que sempre declarei. Agora espero que a Justiça tome as devidas providências, apure e responsabilize a quem for pela falsa acusação que me foi imputada”, disse o ministro Blairo Maggi.

 

Os celulares do ministro e da esposa foram apreendidos em setembro passado, durante a Operação Malebolge, originária da delação do ex-governador Silval Barbosa (sem partido) e sua família.

 

Maggi foi denunciado como um dos líderes do esquema criminoso que promovia desvios de recursos no Estado, durante a gestão estadual. Organização esta que foi continuada por Silval nos anos em que esteve no Palácio Paiaguás.

 

 

A Operação Malebolge, foi deflagrada no dia 14 de setembro de 2017, oportunidade em que a Polícia Federal cumpriu mandados contra  cinco conselheiros, deputados e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). Silval acusou os conselheiros de terem cobrado R$ 53 milhões em troca de aprovar as contas do Governo.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 2