Quarta-Feira, 16 de Outubro de 2019, 08h:26

Tamanho do texto A - A+

Senado aprova redistribuição e MT recebe ainda em 2019, R$ 665 milhões

Por: PAULO COELHO

Alan Cosme/HNT/HiperNoticias

jaime campos/HMC/3Fase

 Campos: "Estado terá alívio de caixa"

O Estado de Mato Grosso vai receber ainda em 2019, R$ 665 milhões, provenientes do Projeto de Lei  (PL) 5478/2019, conhecido como PL da Cessão Onerosa.

O PL define o rateio entre estados e municípios de parte dos recursos do leilão de petróleo dos excedentes de barris de petróleo do pré-sal, a ser realizado no próximo dia 6 de novembro. 

Esse valor seria  R$ 449 menor, se prevalecesse a Proposta de Emenda a Constituição (PEC-98/2019), relatada pelos senador Cid Gomes (PDT-CE), mas novo entendimento quanto à distribuição dos recursos do pré-sal, resultou no Projeto de Lei 5478/2019, equilibrando melhor a divisão, por considerar critérios como a Lei Kandir e o Fundo de Exportação (FEX), além do Fundo de Participação do Estado (FPE).

A princípio, apenas considerando a PEC, Mato Grosso receberia “apenas” R$ 221 milhões.

“Ficou ótimo para Mato Grosso, inclusive foi retirada uma parte que seria para os estados do nordeste, que já estavam muito contemplados e Mato  Grosso ficaria com pouco mais de R$ 200 milhões mas com o acordo aqui firmado, ficou de bom tamanho para o nosso Estado”, comemorou o senador Jayme Campos (DEM-MT), em entrevista à reportagem do HNT/HiperNotícias nesta quarta-feira (16).

A votação no plenário se deu de forma nominal, na noite desta terça-feira (15). Sessenta e oito senadores votaram a favor do projeto; nenhum votou contra. O texto segue agora para sanção presidencial.

Conforme aprovado pelos senadores, dos R$ 106,56 bilhões que serão pagos pelo bônus de assinatura do leilão do excedente da cessão onerosa, R$ 33,6 bilhões ficarão com a Petrobras em razão de acordo com a União para que as áreas sob seu direito de exploração possam ser licitadas.

Do restante (R$ 72,9 bilhões), 15% ficarão com estados, 15% com os municípios e 3% com o Rio de Janeiro, estado produtor. Antes de ir para o Senado,o PL foi aprovado no plenário da Câmara no início de outubro. Ontem (terça), pela manhã o tema foi discutido na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), quando foi aprovado por unanimidade.

“Agora é esperar o leilão que vai acontecer em no começo de novembro e, feito o leilão e assinado o contrato, aquele que arrematar, terá que repassar o valor à União em 24 horas”, lembrou Jayme, frisando que o valor total do contrato é de R$ 106 bilhões.

Os senadores firmaram um acordo para aprovar o PL como veio da Câmara. Mesmo concordando com a aprovação, os parlamentares dos estados nordestinos não ficaram plenamente satisfeitos com o valor firmado.

Eles esperavam que a forma de divisão do bônus de assinatura atendesse apenas as regras do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que beneficiam o repasse de recursos aos estados e municípios mais pobres, concentrados majoritariamente no norte e nordeste do país. Ou seja, eles defendiam a aplicação apenas das regras do FPE e do FPM, tal como previa a PEC 98/2019.

Jayme lembrou, que  o PL aprovado na noite de ontem, estabelece a divisão dos recursos aos estados da seguinte forma: dois terços conforme os critérios do FPE e um terço seguindo as regras do Fundo de Exportação e da Lei Kandir – que beneficiam os estados exportadores. Em relação aos municípios, no entanto, o rateio seguirá os critérios do FPM.

“E hoje [ontem] eu estive na Casa Civil conversando com o ministro Ônix Lorenzoni, e eles estão estudando a possibilidade de esses recursos chegarem a R$ 115, R$ 120 bilhões, o que é muito bom”, salientou o democrata.

Porém, conforme determina o PL-5478/2019, os R$ 665 milhões que chegarão para Mato Grosso, não poderão ser usados pelo governo do Estado para despesas como pagamento de salários, por exemplo. Pelas regras aprovadas, o Estado terá que aplicar o recurso na quitação de dívidas previdenciárias e em investimentos. “Mas, na minha opinião, desde que o dinheiro seja do Estado, então o stado que faço o bom uso dele, seja pra custeio, pra pagar folha enfim”, avaliou Jayme.

Pela redistrubuição aprovada ontem, a União ficará, portanto, com 67% do montante estimado, enquanto que todos os estados, exceto Rio de Janeiro, ficarão com 15% da verba. O estado fluminense, por ser a base onde está concentrado o maior volume de petróleo, ficrá com 18%, ou seja 3% a mais.

“O ideal seriam 20% para os estados e 20% para os municípios e ficaria de bom tamanho, melhoraria muio pra nós, mas de todo modo esse é o início do pacto federativo que é melhorar a distribuição da receita, do bolo tributário nacional, ou seja, menos Brasília, mais Brasil.

Jayme por fim, avalia que esse dinheiro dará um fôlego significativo às finanças do Estado e que, somado ao FEX, cuja promessa doo ministro da economia, Paulo Guedes é repassá-lo ainda este ano, Mato Grosso estará recebendo ainda em 2019, algo em torno de R$ 1 bilhão. “Nessa dificuldade que está passando o Estado, entra um bom dinheiro desse para Mato Grosso, o Estado vai ter um alívio de caixa fantástico”, finalizou o senador.

Os 141 municípios do Estado receberão R$ 195 milhões, valor que será distribuído tendo coo base o FPM – Fundo de Participação dos Municípios e, ao contrário dos Estados, as prefeituras poderão optar por aplicar os recursos em investimentos ou no pagamento de dívidas previdenciárias. (Com Agência Senado)

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1