Segunda-Feira, 09 de Setembro de 2019, 10h:31

Tamanho do texto A - A+

Mendes e Pinheiro divergem em valor devido à Saúde de Cuiabá

Por: FERNANDA ESCOUTO

O conflito na relação do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, e do governador Mauro Mendes ganhou novos desdobramentos. Desta vez, ambos discordam dos valores referentes aos repasses à Saúde da capital. De um lado, Emanuel  afirma que o Estado estaria com uma dívida de aproximadamente R$ 68 milhões junto à pasta.

No entanto, Mendes diz que, de fato, há um débito, mas seria no valor de R$ 39 milhões, referente a restos a pagar do ex-governador Pedro Taques. Segundo ele, desde que tomou posse em janeiro deste ano, todos os valores têm sido repassados mês a mês.

Alan Cosme/HiperNoticias

Emanuel e mauro

 Prefeito Emanuel Pinheiro e o governador Mauro Mendes

Por meio de nota oficial, Pinheiro ressaltou que o valor em atraso é referente aos serviços de Atenção Básica, Assistência Farmacêutica, MAC Assistência (para UTIs, Média e Alta Complexidade, Ginecologia e Obstetrícia, Cirurgias Cardíacas Pediátricas e Neonatal), MAC Assistência para UPAs, e para Portarias que destinam recursos para o Pronto-Socorro e Cirurgias Cardíacas com Toracotomia.

De acordo com o emedebista, na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB) os repasses também atrasavam, mas existia constantes diálogos entre os chefes do Executivo, o que não estaria acontecendo com Mendes.

Para o chefe do Executivo Municipal, a dívida poderia ser parcelada em 20 parcelas de R$ 3 milhões, além dos repasses regulares que são constitucionais. Entretanto, segundo ele não há nenhuma expectativa de pagamento por parte do governo estadual.

“Prefeito e governador não precisam ser amigos. Não precisam sentar e almoçar juntos, tomar cerveja ou conviver diuturnamente para trazer benefícios à Capital, mas é necessário que ambos tenham convivência institucional, republicana e de alto nível. Estão, está havendo um pouco de dificuldade, não é nada crônico, mas não quero que Cuiabá seja prejudicada”, disse Emanuel, durante uma entrevista na última quinta-feira (05).

“Conversa desencontrada”

Após as declarações do prefeito de Cuiabá, o governador rebateu as informações, destacando a necessidade de acabar com as “conversas desencontradas”.

“A gente tem que parar com essas conversas desencontradas. O governo pode mostrar com planilhas que tem dívidas com a prefeitura desde 2016, quando eu era prefeito. O Estado viveu algumas dificuldades, mas na nossa administração estamos pagando desde janeiro 100% em dia todos os 141 municípios”, disse o governador em recente entrevista.

Assim como Emanuel Pinheiro, Mendes, por meio de sua assessoria de comunicação, citou que o governo repassou à Saúde Municipal a quantia de R$ 23 milhões, referentes aos anos de 2016, 2017 e 2018 [gestão Pedro Taques], faltando apenas R$ 39 milhões a serem quitados.

“Por que ele nunca cobrou o Pedro Taques? Tem dívida desde 2016. O prefeito Emanuel Pinheiro conversa muito, fala muito, trabalha pouco e mente bastante”, disse Mendes

O Estado informou também que apesar da dívida deixada pelo governo anterior, os repasses de 2019 estão em dia. Um valor de R$ 75 milhões já foi encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde.

Relação estremecida

Pinheiro e Mendes, que estão se estranhado constantemente, já tiveram uma relação harmônica. Enquanto deputado estadual, Emanuel foi o coordenador da campanha vitoriosa de Mauro Mendes a prefeito de Cuiabá, em 2012. No entanto, a crise entre eles se instaurou após a investida do Estado na tomada da administração da Santa Casa.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas