Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019, 10h:42

Tamanho do texto A - A+

Crânio usado em rituais macabros pode ter sido furtado de cemitério em Cuiabá

Por: LUIS VINICIUS

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso em que um crânio foi localizado em uma casa utilizada para rituais macabros, no bairro Araés, na tarde da última segunda-feira (14), em Cuiabá.

tumulo cemiterio.jpg

De acordo com uma fonte do HNT/HiperNotícias, que não quis se identificar, o crânio teria sido furtado de um cemitério para realização dos rituais satânicos na casa. Essa é uma das hipóteses da linha de investigação da Polícia Civil.

“Este crânio pode ter sido furtado de algum cemitério, uma vez que muitos destes locais ficam vulneráveis à pratica desse delito por parte dos criminosos”, explicou o informante à reportagem.

Depois de ser localizado, o resto mortal foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) que confirmou se tratar de um crânio humano. No entanto, ainda não foi possível identificar a quem pertencia a ossada.

“É certeza que se trata de um crânio humano. Porém, ainda não foi submetido a exames para identificar a ossada. Vamos aguardar os próximos exames para saber o que o laudo irá apontar”, disse a fonte.

Conforme a DHPP, o crânio foi encontrado dentro de um vaso de barro. Além disso, foram localizadas garrafas, flores, um terço, um quadro, duas máscaras de caveira e uma cruz com o seguinte texto: “Salve as almas”.

De acordo com a DHPP, o local era administrado por um “pai de santo” que fazia os rituais. No entanto, o homem teria ido morar em outro Estado.

Diante disso, a casa foi abandonada e serviu de abrigo para moradores de rua e usuários de drogas.

O caso está sendo investigado pela delegada Eliane Moraes. Até a publicação da matéria, ninguém havia sido preso.

Pena

Violar cadáver é crime de vilipêndio, previsto no Código Penal Brasileiro. A pena pode chegar a detenção de um a três anos e multa.

 

Leia mais

 

Casa nio Araés usada em rituais macabros tinha altar e crânio humano

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei