Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 17h:50

Tamanho do texto A - A+

Denunciado no Fantástico, advogado de MT diz que reportagem foi encomendada

Por: KHAYO RIBEIRO

O advogado Licínio Vieira de Almeida Júnior, denunciado no Fantástico no final de 2018, afirmou que uma empresa teria encomendado a reportagem. Na época, o denunciado foi apontado por aplicar golpes contra consumidores endividados. A reportagem foi ao ar em rede nacional no dia 30 de dezembro.

Reprodu??o

TJMT

 Tribunal de Justiça de Mato Grosso

Em documento encaminhado ao HNT/HiperNotícias, Licínio Júnior narra que uma “grande empresa” teria negociado para que o caso fosse veiculado, a fim, exclusivamente, de que a imagem do advogado fosse desmoralizada.

Na reportagem, além de Licínio, Luiz Henrique Senff também foi apontado por atuar de forma semelhante.

No material veiculado pelo programa da TV Globo, os advogados atrairiam pessoas humildes, com dívidas e os nomes negativados em sistemas como o SPC Brasil e o Serasa Experian. Para isso, eles acionavam à Justiça afirmando que a dívida não existia, que a empresa estaria cobrando juros abusivos e ainda alegavam que os clientes estariam sofrendo constrangimentos.  

Argumentando que sempre trabalhou de acordo com o Estatuto da Advocacia da OAB, Licínio aponta que seus dois clientes citados na reportagem ainda estavam com os processos em fase recursal.

Sem citar de forma direta a empresa supostamente patrocinadora da reportagem, o advogado argumenta que a mesma estaria promovendo este tipo de ação por nada menos que “audiência de perseguição”, ou seja, este tipo de reportagem geraria audiência nas emissoras que veiculassem a matéria. 

Para basear seu posicionamento, Licínio Júnior levantou uma sequência de matérias publicadas em diversos canais de comunicação nas quais a empresa seria uma das recordistas em reclamações de clientes.

“Tenho convicção que o Judiciário e a Ordem dos Advogados do Brasil estão atentos para esta nova artimanha que está sendo usada pela referida empresa para se beneficiar e continuar ferindo gravemente os direitos dos consumidores”, conta o advogado.

Veja a matéria na íntegra aqui.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei