Sábado, 12 de Outubro de 2019, 08h:52

Tamanho do texto A - A+

Cuiabá aumenta em mais de 300% o número de cirurgias para tratar Parkinson

Por: REDAÇÃO

A Prefeitura de Cuiabá realizou nesta quinta-feira (10), no Hospital Municipal São Benedito, a 9ª cirurgia de doença de Parkinson em Mato Grosso. Considerado de alta complexidade, o procedimento cirúrgico reduz os impactos da doença, que é neurodegenerativa, caracterizada por tremores intensos e rigidez dos membros superiores e inferiores, lentidão de movimentos e que pode chegar à incapacidade total na fase mais aguda.

Reprodução

Mal de Parkinson, idoso, doença

 Imagem ilustrativa

Em 2016, o Hospital realizou a 1ª e a 2ª cirurgias. A partir de 2017, a gestão Emanuel Pinheiro aumentou em 350% o número dos procedimentos que, para os sete pacientes do São Benedito, consistiu na implantação de um sistema de estimulação profunda no cérebro - um equipamento semelhante a um marca-passo.

“Ele modula a atividade elétrica das estruturas profundas do cérebro e proporciona o controle dos sistemas motores nessa doença que, na maioria dos casos, atinge pessoas acima dos 65 anos mas também pode atingir jovens”, explicou o neurocirurgião do São Benedito, Atahualpa Strapasson.

De acordo com o diretor geral da Empresa Cuiabana de Saúde Pública – ECSP, Alexandre Beloto, com as cirurgias, além da qualidade de vida proporcionada aos pacientes, a atual gestão reduziu em pouco mais de R$ 3,3 milhões os custos da Secretaria Municipal de Saúde com judicializações.

“Os procedimentos estão sendo realizados de forma regular via Central de Regulação, totalmente custeados pelo município ao valor médio de R$ 45 mil cada. Se fosse por judicialização, esse mesmo paciente custaria cerca de R$ 460 mil ao Sistema Único de Saúde da Capital. A economia real promove um impacto positivo importante para os cofres públicos e possibilita que outras pessoas recebam esse mesmo atendimento humanizado, que devolve qualidade de vida a quem sofre de Parkinson”, completou.

Essa ampliação do tratamento é o desejo da professora aposentada, Rosane Arruda Wenzel, 47 anos. “Eu me aposentei pela doença porque já não conseguia fazer tarefas simples. Agora, após a cirurgia é só louvar e agradecer a Deus por essa dádiva que é ter minha vida de volta. Minha gratidão ao tratamento que hoje temos disponível com celeridade em Cuiabá de forma gratuita não é para mim, mas para todos que, assim como eu, poderão ter a oportunidade de voltar a sorrir”, enfatizou.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei







Mais Comentadas