Quinta-Feira, 07 de Novembro de 2019, 15h:08

Tamanho do texto A - A+

Promotor arquiva investigação sobre exploração sexual de crianças na Aspe

Por: KLEBER LIMA / Diretor de Jornalismo

Assessoria

Adevair Cabral

Promoção de arquivamento de denúncia que envolvia exploração sexual de crianças é um alivio para Adevair

O promotor Luciano Freiria de Oliveira, da 9ª Promotoria de Justiça de Várzea Grande, protocolou nesta quarta-feira (7) um pedido de arquivamento da investigação preliminar que havia sido aberta para investigar uma denúncia anônima de 2017, segundo a qual o vereador Adevair Cabral e outra pessoa utilizavam o Clube da Aspe, associação e servidores da prefeitura de Cuiabá que foi presidida pelo vereador, como casa de prostituição com exploração de crianças.

No documento obtido por HNT / HiperNotícias, o promotor justifica o arquivamento “em virtude da falta de justa causa”. O pedido de promoção do arquivamento da denúncia foi protocolado na 5ª Vara Criminal de Várzea Grande, uma formalidade para encerrar o procedimento.

 VEJA AQUI O DOCUMENTO PROTOLOCADO PELO PROMOTOR

De acordo com o promotor, durante as diligências realizadas pela polícia a seu pedido ficou comprovado que o Clube da Aspe não realizava os bailes às quintas e sextas-feiras, conforme denunciado, mas sim um outro clube particular que fica na mesma região.

“Neste contexto, a denúncia anônima restou isolada. Sendo assim, não há provas suficientes sequer para a instauração do IP (Inquérito Policial)”, escreveu o promotor Freiria.

CONTEXTO

A notícia de que havia um procedimento de investigação de exploração sexual de crianças e adolescentes contra Adevair Cabral veio à tona no dia 1º de novembro, após o vereador registrar um inquérito policial contra seu colega Abilio Junior, a quem acusou de calúnia e difamação por causa de uma foto íntima.

Abílio responde a um processo de cassação na Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá, e teria feito a acusação contra Adevair, segundo o próprio, por retaliação.

Nesta quarta-feira, Abílio também ingressou com uma representação contra o presidente da Comissão de Ética, Toninho de Souza, por este tê-lo chamado de “perebento” e “endemoniado” em sessões anteriores.

As manchas nas mãos dos vereador, na verdade, são psoríase, o que não é pereba nem é contagioso.

Mais sobre o asunto:

MP investiga Adevair Cabral por exploração sexual de menor

Adevair nega acusações e diz que tudo é um jogo político liderado por Abílio

 

Avalie esta matéria: Gostei +5 | Não gostei - 2



Últimas Notícias





Mais Comentadas