Quinta-Feira, 16 de Maio de 2019, 19h:46

Tamanho do texto A - A+

Mauro Mendes, sobre emendas parlamentares: "Se tiver dinheiro, eu pago, mas hoje não tem"

Governador diz que não adianta constar no orçamento, se o dinheiro não for arrecadado, pra executar as indicações dos deputados.

Por: PAULO COELHO

As emendas parlamentares impositivas, às quais os 24 deputados de Mato Grosso têm direito, mas que estão com repasses atrasadas desde a gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB), vão continuar não sendo prioridade na administração Mauro Mendes (DEM).

Alan Cosme/HiperNoticias

mauro mendes

 Governador Mauro Mendes

“Se tiver dinheiro, ok, eu pago”, condicionou o governador, ao explicar a um grande grupo de prefeitos nessa quinta-feira (16), as dificuldades financeiras do Estado.

Cada um dos 24 deputados tem direito a um valor de R$ 5,5 milhões, recurso a ser aplicado em obras e serviços indicados pelos parlamentares  e que pela lei, devem ser executados pelo Estado.

“Concordo que tem que pagar, só tem que dizer de onde tirar o dinheiro”, enfatizou Mendes. O governador, porém, tem sustentado que, depois de muitas conversas realizadas com os deputados, definiu que “uma parte vamos pagar, mas não tudo aquilo que eles colocaram”. O governador insistiu que, mesmo que se coloque no orçamento do Estado, a previsão de pagamento às emendas, mas se não houver dinheiro para pagar, de nada adiantará.

“Orçamento é um número que a Assembleia Legislativa, para depois você [governo] ter que arrecadar aquilo, buscar dinheiro para pagar isso e nós não temos esse dinheiro”, garantiu

Enquanto isso, os parlamentares, desde que a lei que torna obrigatório o pagamento das emendas foi criada [2012], têm feito compromissos com suas respectivas bases eleitorais, especialmente com prefeitos do interior do Estado, que planejam construções de obras a serem executadas pelas secretarias do governo.

Pelo que determina a lei, 1% da Receita Corrente Líquida (RCL) do Estado, de cada ano, deveria  ser destinado às emendas dos deputados, respeitando a destinação de 12% para a Saúde, 25% para a Educação, 6,5% para a Cultura local ou regional e outros 6,5% para projetos de esporte. Os outros 50% dos recursos das emendas podem ser de livre escolha de cada deputado.

A declaração nada animadora do governador quanto ao pagamento das emendas, já motivou o agendamento de uma reunião de alguns parlamentares com o chefe da Casa Civil do governo, Mauro Carvalho, nesta sexta-feira (17) pela manhã. Uma comissão formada por Max Russi (PSB), Janaina Riva (MDB) e Dilmar Dal Bosco, deve elevar o tom da cobrança.

“É preciso que o governo diga, com clareza, se vai pagar ou não e se for, quanto poderá pagar”, disse ao HNT/HiperNotícias, confirmando que os deputado têm sido cobrados com veemência pelos prefeitos e que, uns inclusive, têm sido cobrados judicialmente das empresas que prestaram serviços, com a promessa de que seriam pagos com os recursos das emendas impositivas. 

Dal Bosco confirmou que há, sim, o constrangimento junto aos gestores municipais que, com o não cumprimento de acordos firmados, na base de promessas feitas em cima das emendas parlamentares, cobram que se honre o compromisso.

“Nessas horas eu respondo que  eu sou legislativo e que cabe ao executivo  cumprir e pagar as emendas impositivas”, completou.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei









ESTÚDIO HIPER
Carlinhos Maia doa carro novo a desconhecido

Em depoimento Neymar diz que cedo ou tarde a verdade aparece

Brasileiro de 84 anos dá um show em programa americano