Quinta-Feira, 16 de Maio de 2019, 17h:00

Tamanho do texto A - A+

Mauro lamenta falta de penas mais severas "àqueles que metem a mão no dinheiro público"

Segundo o atual governador, o Congresso Nacional não tem coragem de fazer leis que endureçam penas a corruptos. Silval acaba de ser beneficiado, pela Justiça, com mudança de prisão domiciliar, para regime semiaberto

Por: PAULO COELHO

O governador Mauro Mendes (DEM), ao ser instigado, nessa quinta-feira (16), sobre a decisão da Justiça, que concedeu o benefício da prisão em regime semiaberto ao ex-governador Silval Barbosa, disse que, como cidadão, gostaria que a pena para quem pratica crime contra a administração pública, fosse muito mais rígida do que é atualmente, mas “lamentavelmente isso não está acontecendo no Brasil”.

Durante explanação a prefeitos na Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Mendes criticou o ex-governador Silval  que, concedeu no passado, quando comandava o Palácio Paiaguás, aumentos salariais a várias categorias de servidores, sem se preocupar com “o impacto disso às gestões futuras”,

Alan Cosme/HiperNoticias

mauro mendes


“Lamentavelmente não depende do Judiciário, porque eles julgam, prendem, processam, de acordo com as leis brasileiras e essa bola está nas mãos do Congresso Nacional, que não tem coragem de fazer os enfrentamentos  que esse país precisa e um deles é esse, ter lei mais duras, mais penosas, mais severas para aqueles que metem a mão no dinheiro público”.

Silval da Cunha Barbosa foi condenado a mais de 13 anos de prisão  por corrupção e desvio de verba pública, em 2017. Porém ele já estava preso desde de 2015.

Silval passou quase dois anos na prisão e foi solto depois de firmar acordo de colaboração premiada com o Supremo Tribunal Federal (STF) e, a partir de então, passou a cumprir prisão domiciliar.

Agora, com a decisão pela prisão no regime semiaberto, decretada pelo juiz Geraldo Fernandes Fidelis, da 2ª Vara Criminal de Cuiabá, Barbosa deverá se submeter a medidas cautelares que ainda serão definidas pela Justiça, mediante audiência admonitória, marcada para o próximo dia 21, terça-feira.

A decisão de Fidélis atendeu pedido da defesa do ex-governador.

Alan Cosme/HiperNoticias

silval

 Silval Barbosa

Com a decisão, o ex-governador deve cumprir o resto da pena em regime semiaberto.

O ex-governador foi preso em setembro de 2015 e é apontado pelo Ministério Público de Mato Grosso como chefe de uma organização criminosa que cobrava propina de empresas privadas em troca de incentivos fiscais durante sua administração.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei