Sexta-Feira, 18 de Outubro de 2019, 08h:58

Tamanho do texto A - A+

Gallo diz que MT irá aplicar recursos do pré-sal no déficit com a Previdência

Por: PAULO COELHO

O Governo do Estado vai usar os mais de R$ 660 milhões que receberá em novembro da União referentes à cessão onerosa (Pré-Sal), integralmente para atenuar o seu déficit bilionário prevididenciário. A informação é do secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo em entrevista ao HNT/HiperNotícias.

Ele lembrou as regras da lei aprovada nessa semana pelo Senado, quanto à redistribuição dos recursos do pré-sal, que condicionam a aplicação desses recursos,  em déficit da previdência e, “se sobrar”, em investimentos para  Estado.

Alan Cosme/HNT/HiperNoticias

rogerio gallo

 Rogério Gallo é secretário de Fazenda

“Como nós temos um déficit bilionário no fundo de previdência, nós devemos usar esses recursos para pra cobri-lo. Vai sobrar recursos no caixa, que nós usaremos para fazer investimentos, para pagar fornecedores... Enfim, para aliviar problemas financeiros que o Estado vem acumulando e que, já nesse ano, nós conseguimos suavizar e atenuar bastante”, disse.

Gallo lembrou que o Governo começou o ano de 2019 com um déficit financeiro de R$ 1,6 bilhão, tanto que a Lei Orçamentária - LOA - prevê o déficit. "Há esforços na contenção de gastos na folha e no custeio. Nós vamos chegar ao final do ano com R$ 1 bilhão a menos do que estava previsto, ou seja, isso permite que com esses R$ 600 milhões, possamos diminuir o déficit que o Estado tem com seus fornecedores e com os municípios, enfim".

O secretário também cita, entre as dívidas quanto ao custeio da máquina, pendência financeira com a locação de veículos na Secretaria de Segurança Pública - Sesp - e com empresas que fornecem alimentação para os detentos do sistema penitenciário do Estado.

“Nossa ideia, com isso, é fazer o fechamento do ano, com o menor número de restos a pagar e aí, obviamente, abrir espaço para fazermos investimentos relevantes em Saúde, Segurança Pública e Educação, que são as nossas prioridades”, sustentou, reforçando que essas frentes de aplicação dos recursos do pré-sal não são uma escolha deliberada do governo do Estado e sim, uma determinação que está “amarrada”, no Projeto de Lei aprovado pelo Senado nessa semana.

No próximo dia 06 de novembro serão leiloados excedentes de petróleo equivalentes a R$ 106 bilhões. Desse valor, a União tirará R$ 33 bilhões para indenizar a Petrobrás, Sobram, então, R$ 73 bilhões e desse valor, 15% serão partilhados com os estados e outros 15%  os municípios brasileiros. Assim sendo, a maior fatia, 67% de R$ 73 milhões ficará com a União. “Serão, portanto, dois montantes, teremos aí quase R$ 11 bilhões  para serem divididos com os Estados e outros R$ 11 bilhões para rateio entre os municípios”.

Os critérios para distribuição dos recursos  aos estados obedecerão uma fórmula mesclada entre Fundo de Participação dos Estados (FPE), FEX (Fundo de Exportação) e Lei Kandir. Já para os municípios, cada um receberá de acordo com o critério único que é o FPM, Fundo de Participação dos Municípios. Os 141 municípios de Mato Grosso receberão aproximadamente R$ 200 milhões. Cuiabá vai receber a maior fatia, cerca de R$ 14 milhões.

“Agora é só esperarmos o leilão, marcado para o dia 06 de novembro. Estive em Brasília essa semana e fui informado pelo Ministério da Economia, que já há 17 grandes conglomerados de investidores com interesse em participar desse leilão, ou seja, ele não deve ser frustrado”, concluiu Gallo.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei







Mais Comentadas