Sexta-Feira, 05 de Julho de 2019, 09h:30

Tamanho do texto A - A+

Devido ao projeto de incentivos fiscais, Mendes prolonga prazo para divulgar futuro do VLT

Por: FERNANDA ESCOUTO

Mesmo depois de ter anunciado que no dia 6 de julho o futuro do Veiculo Leve Sobre Trilhos (VLT), já estaria decidido, o governador Mauro Mendes (DEM), em entrevista nessa quinta-feira (4), afirmou que o prazo se estenderá por mais um tempo, diante de outras prioridades que a gestão vem enfrentando.

Reprodução

VLT


Mendes destacou que já aconteceram várias reuniões entre o governo e a Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, assim como conversas com o Tribunal de Contas da União (TCU) e com a Controladora Geral da União (CGU), entretanto o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 53/2019, que prevê a reinstituição de incentivos fiscais às empresas no Estado, acabou ganhando prioridade nas discussões do Executivo, pois deve ser votado na Assembleia Legislativa até o dia 31 de julho.

“Lamentavelmente faríamos dentro de um mês, mas não foi possível por conta de outras prioridades que surgiram. Estou muito tranquilo, porque pedi até um ano para apresentar uma proposta e uma alternativa de solução, agora estamos acelerando isso. Queremos entregar o mais rapidamente possível. Nos próximos dias nós teremos reuniões com outros atores, outras pessoas para que possamos construir e apresentar uma alternativa para ser implementada".

Em outra ocasião, Mendes já havia falado sobre a realização de encontros em Brasília, para debater o VLT, porém destacou mais uma vez a falta de dinheiro para a conclusão da obra.

“Eu vou tentar viabilizar, mas para viabilizar precisa de dinheiro. De sonho e de mentira, todos estão de saco cheio, então não adianta mentir para a população, não adianta jogar para galera. Esse tipo de político que só fala e que não faz, estão aí os resultados, as consequências para todos nós”, disse à época.

Saiba mais

No dia 6 de junho, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve a rescisão unilateral do contrato firmado entre o governo do Estado e o Consórcio VLT para execução da obra. A decisão foi dada como acertada por Mauro Mendes, que afirmou que em um prazo de 30 dias anunciaria o destino da principal obra da Copa de Mundo de 2014, na grande Cuiabá.

O contrato com este consórcio foi rescindido em dezembro de 2017, pelo ex-governador Pedro Taques (PSDB).

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto