Quinta-Feira, 23 de Maio de 2019, 09h:30

Tamanho do texto A - A+

Deputado petista critica projeto que tentou reduzir VI pela metade

Por: FERNANDA ESCOUTO

Mesmo com a aprovação do substituto integral que põe fim ao Projeto de Lei do deputado Ulysses Moraes (DC), que previa a redução de 50% da Verba Indenizatória (VI) dos parlamentares estaduais, a polêmica parece estar longe de ter um final.

Alan Cosme/HiperNoticias

valdir barranco

 Deputado Valdir Barranco (PT)

O deputado Valdir Barranco (PT) afirmou, nessa quarta-feira (22), que o projeto de Ulysses era sensacionalista e insinuou que o colega de Parlamento é contra o recebimento da VI, pois estaria comprometido com empresários do agronegócio.

“Meu voto é sempre consciente e eu não fico devendo favores pra ninguém, eu estudo os projetos e delibero meu voto a partir do que minha consciência manda e por isso é importante a VI. E por isso tem deputado, o Ulysses eu fiquei sabendo que é um desses, que anda em avião da Aprosoja, sim. Isso não é legal, isso sim é ruim, porque de vez em quando pode ter matérias aqui que se choque com a Aprosoja, por exemplo e isso tira a imparcialidade do voto”, disse o petista.

Barranco diz ainda que essa imparcialidade nas votações só é possível por causa das condições que a Casa de Leis oferece, como a verba indenizatória, que atualmente tem o valor de R$ 65 mil.

“Eu não tenho o rabo preso, eu voto aqui conforme a minha consciência. Ninguém manda no meu voto, ninguém liga no meu celular e fala ‘esse projeto é para você votar assim, esse projeto é para você votar assado’”, ressaltou.

Com a aprovação do substitutivo, pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária (CFAEO) da Assembleia Legislativa, fica estabelecido a possibilidade dos deputados renunciarem ou não a VI. Atualmente, isso já ocorre, o parlamentar pode abrir mão de receber o total da verba, que é R$ 65 mil, como pode também renunciar apenas uma parte da quantia.

Outro lado

Em resposta ao deputado Barranco, Ulysses afirma que faz suas viagens pelo estado, na maioria das vezes de carro e apenas quando é convidado por alguém ou empresa, ele viaja de avião, como aconteceu no exemplo citado pelo petista.

“O parlamentar tem a liberdade de ir a vários lugares dar palestras e eu tenho rodado Mato Grosso, nas minhas viagens que na maioria das vezes vou de carro. Quando recebo o convite para dar palestras em algumas exposições rurais eu vou sem menor problema”, disse.

“O PT adora um dinheiro público, já comprovado nacionalmente, eles não sabem fazer política de outra maneira, a não ser com o dinheiro do próprio povo”, finalizou.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto