Sexta-Feira, 02 de Agosto de 2019, 09h:32

Tamanho do texto A - A+

Botelho: "O DEM não está rachado e meu candidato será o que meu partido indicar"

Ao HNT/HiperNotícias, Botelho afirmou ser partidário e que não há possibilidade de, ele indidualmente, apoiar projeto de Emanueel, se maioria do DEM optar por rumo oposto. Presidente, admite, porém, "simpatia pessoal" por Pinheiro

Por: PAULO COELHO

Ao contrário do que afirmou o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), nesta quinta-feira (01), o DEM-MT não estaria dividido, quanto às definições relacionadas à disputa pela prefeitura da Capital em 2020. Envaidecido, Pinheiro tem afirmado, aos quatro cantos,  que possui o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, uma das principais lideranças do Democratas no Estado.

Por conta disso, o prefeito entende que se estabeleceu uma fissura nas forças internas do DEM, quando o assunto é sucessão municipal.

Mas, não seria nada disso: “ O DEM não está rachado e eu sou  partidário, ou seja, vou apoiar o candidato que o meu partido definir”, disse Botelho, em entrevista à reportagem do HNT/HiperNotícias.

divulgacao

eduardo botelho deputado

 Botelho: Simpatia pessoal por Emanuel; não apoio

Assim sendo, se forem levadas em conta as opiniões de outras grandes lideranças do DEM de Mato Grosso, o apoio institucional da sigla ao projeto de Emanuel, fica ainda mais difícil, já que o presidente regional do partido, Fábio Garcia é avesso a qualquer proximidade de Pinheiro.

O mesmo  ocorrendo com o governador Mauro Mendes, maior liderança da sigla no Estado, que nos últimos meses disparou críticas contra o prefeito, especialmente quanto à gestão municipal em torno imbróglio referente à Santa Casa e o VLT.

Botelho, que está participando de evento em Sorriso (norte do Estado), também garantiu na entrevista, que “não há possibilidade” de, ele de forma individual, apoiar a reeleição de Emanuel, se a maioria dos democratas apontar para um rumo oposto.

“Sou partidário, faço parte da direção do partido. Tenho uma simpatia pelo nome dele, foi um bom parlamentar. Agora, eu vou apoiar o candidato do partido”.

Emanuel tem também esperança de cooptar os apoios dos irmão Jayme e Júlio Campos, dois dos mais antigos nomes do DEM de Mato Grosso. Isso passaria por um acordo que envolveria as disputas em Cuiabá e Várzea Grande.

Outra posição de Botelho é quanto à pré-disposição dele em disputar a prefeitura cuiabana. “Eu não serei candidato, isso não está nos meus planos”, disse, enfatizando que as definições quanto ao pleito municipal, só serão tratadas com maior ênfase no ano que vem.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas