Segunda-Feira, 17 de Dezembro de 2018, 20h:58

Tamanho do texto A - A+

Professor de futebol é preso por pedir "nudes" e estuprar meninos em Cuiabá

Por: LUIS VINICIUS

Policiais civis da Delegacia Especializada de Defesa da Criança e Adolescente (Deddica) prenderam, na tarde desta segunda-feira (17), o treinador de futebol Clemente Borges Aranha, de 31 anos, no bairro Três Barras, em Cuiabá. Ele é acusado de ter estuprado cerca de cinco meninos, com idades entre 8 e 14 anos.

 

Clemente Borges Aranha.jpg

 

Aranha, como é conhecido no futebol, foi preso no miniestádio do bairro. Ele é professor da escola de futebol Centro de Formação de Atletas de Alto Nível (Cefaans) e ministrava aula para meninos de toda a região do CPA.

 

De acordo com informações da Deddica, Aranha influenciava os menores com a promessa de torná-los jogadores profissionais de futebol. Diante do compromisso, o suspeito aproveitava para pedir que as vítimas mandassem fotos e vídeos do corpo e do pênis, por meio de WhatsApp, para que ele pudesse “analisar” o perfil e saber se a criança tinha ou não condições de se tornar jogador.

 

Ao conquistar a confiança da criança, o suspeito chamava as vítimas para “passeios” em shoppings, corridas de kart e até para sua casa, locais onde estuprava os meninos. Para que a criança não contasse para os pais o que ocorria, o professor dizia às vítimas que elas seriam excluídas do time. Diante da ameaça da perda do sonho, os meninos não relatavam os abusos.

 

“Ele aproveitava de meninos que não tinham pais e os tímidos para cometer o crime. Ele viajava com as crianças para outros estados e cidades. Ele dizia para os responsáveis não se preocuparem, pois os meninos estavam bem cuidados. Em momentos a sós com as vítimas, ele as masturbava e mantinha relações sexuais com os garotos. Ao término, ele ameaçava os menores dizendo que quem o denunciasse sairia do time”, disse um dos policiais que participou da prisão.

 

A mãe de um dos menores disse aos policiais que notou um comportamento diferente do filho e ao questionar sobre o que estava acontecendo, a criança sempre despistava. No entanto, quando a denunciante viu o celular do menino e encontrou mensagens de conotação sexual procurou a Deddica e fez a denúncia.

 

“Diante da denúncia, começamos a investigar e recebemos alguns prints de conversa do suspeito pedindo fotos e vídeos do pênis da criança. Com isso, solicitamos o pedido de prisão e o juiz acolheu”, explicou o agente ao HiperNotícias.

 

Após a prisão, Aranha foi levado à Gerência Estadual de Polinter (Gepol) para exames de corpo de delito. Nesta terça-feira (18), ele será ouvido pelo delegado Francisco Kunze.

Leia mais sobre este assunto




Últimas Notícias