Domingo, 02 de Setembro de 2018, 08h:00

Tamanho do texto A - A+

Pastor "pagava" estupros com doações recebidas de fieis

Por: LUIS VINICIUS

Em depoimento, o pastor Justino Ireno da Costa, 53 anos, afirmou ao delegado Cláudio Alvares Santana, da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande, que dava dinheiro das ofertas feitas pelos fiéis, durante os cultos, para as crianças. Porém, no interrogatório realizado na terça-feira (28) na unidade policial, o homem negou que tenha cometido estupros. Ele afirmou que remunerava os meninos por "ter bondade em seu coração".

 

Alan Cosme/HiperNoticias

delegado claudio alvares santana

 

“Ele afirmou, durante o procedimento, que a igreja era mantida por doações e que dessas contribuições ele repassava uma quantidade inferior às crianças. Ele conseguia esse dinheiro por doações de empresários e fiéis. Contudo, o que os meninos relataram é que ele usava dinheiro para ‘comprar’ o silêncio das vítimas. Por isso, os meninos ficavam receosos e não queriam contar sobre os estupros. Em resumo, ele usava o dinheiro das doações para pagar os estupros”, explicou o delegado ao HiperNotícias.

 

Justino foi preso em sua casa no bairro Mangabeira, onde os estupros aconteciam. Ele utilizava a condição de pastor evangélico para conquistar a confiança dos pais e das crianças. Em seguida, ele convidava as vítimas para ir até a sua casa e estuprava os meninos, com idades entre 4 a 17 anos, conforme explicou o delegado.

 

À reportagem, a autoridade policial contou que as investigações começaram em fevereiro desde ano, após denúncias de duas mães. Elas estavam desconfiando do comportamento de seus filhos.

 

“Em fevereiro deste ano, duas mulheres registraram denúncias afirmando que estariam suspeitando de que o pastor estaria abusando de seus filhos. As mulheres relataram que as crianças estavam com um comportamento estranho e uma das vítimas teria relatado que o pastor estava apalpando suas partes íntimas. Diante disso, a denúncia foi encaminhada à nossa delegacia e iniciamos uma investigação. Durante a apuração, algo chamou nossa atenção, pois quando ouvimos as duas crianças, elas confirmaram os estupros e ainda disseram que outros meninos também estavam sendo abusados. A partir daí, começamos a investigar o caso”, explicou.

 

O pastor será encaminhado a uma unidade penitenciária, onde deverá aguardar as investigações do caso. As vítimas terão acompanhamento psicológico.

 

As investigações do caso ainda estão em andamentos pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande.

 

 

Leia também 

Pastor nega estupros e diz que ajudava meninos financeiramente por ser um "homem bom"

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto