Segunda-Feira, 09 de Setembro de 2019, 15h:14

Tamanho do texto A - A+

Pai é investigado por envenenamento de filha; madrasta está presa

Por: LUIS VINICIUS

Divulgação

Mirella Poliane

Mirella Poliane faleceu aos 11 anos, em Cuiabá

O delegado Wagner Bassil da Delegacia Especializada de Direitos e Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica) afirmou que o pai de Mirella Poliane Chue de Oliveira, 11 anos, também é investigado pela morte da criança. Em um primeiro momento, a madrasta Jaira Gonçalves de Almeida, 42 anos, foi presa preventivamente suspeita de ter assassinado a menina envenenada.

“Foi um crime bem premeditado, muito bem elaborado. O pai alega que não tinha conhecimento (sobre os envenenamentos). Foi o que ele nos disse até o momento, mas estamos investigando-o também”, afirmou o delegado em coletiva de imprensa após a prisão da suspeita.

Jaira foi presa na manhã desta segunda-feira (9), no bairro Parque Cuiabá, na capital. A investigação apontou que ela matou a criança com uso de um inseticida com venda proibida pela Anvisa, o Carbofurano, que foi ministrando gota a gota, em pequenas doses durante dois meses, entre abril e junho de 2019.

No dia 14 de junho de 2019, a vítima morreu de causa até então indeterminada.

A vítima deu entrada em um hospital particular, já morta. Inicialmente, houve suspeita de meningite, bem como de abuso sexual, pois havia inchaço na genitália, mas depois foi descartado o abuso durante a necropsia do Instituto de Medicina Legal (IML), da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec).

“Exame toxicológico comprova o envenenamento por um inseticida, que hoje a sua venda é proibida no Brasil, mas que se consegue comprar no mercado negro conforme as investigações apontaram”, disse a autoridade policial.

O crime, segundo a Polícia Civil, foi cometido para que a madrasta ficasse com uma quantia de R$ 800 mil, que seria de uma herança que a menina tinha recebido, ao nascer, fruto de uma indenização pela morte de sua mãe, durante parto dela em um hospital, na capital, por erro médico.

Após a morte da mãe, a criança ficou sob os cuidados dos avós paternos. No entanto, os idosos morreram dois anos depois e diante disso, Mirella passou a viver com o pai e Jaira.

“Essa criança quando nasceu, em virtude da morte da mãe, ela passou a ser cuidada pelos avós paternos, só que os avós morreram também, sendo um em 2017 e um em 2018, só a partir de então, essa criança passou a morar com o pai e a madrasta

Por fim, Bassil afirma que a vítima passou a morar com a suspeita, não podia se aproximar de outras pessoas. Além disso, Jaira era a responsável pelos cuidados da Mirella.

“Nós levantamos uma sequência de provas. Foram levantados dinheiro da conta da vítima, dinheiro que estava bloqueado e deveria ficar sob aos cuidados dela. Além das pessoas que cuidavam dessa vítima. Quem cuidava dessa vítima era a madrasta, quem a alimentava era a madrasta. A madrasta restringia para que outras pessoas não se aproximassem da vítima no período em que ela ficou doente”, finalizou.

 

Leia mais

 

Madrasta é presa por matar enteada envenenada para ficar com herança

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei