Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019, 17h:19

Tamanho do texto A - A+

"Marreta" presta depoimento e diz que apenas emprestou caminhonete

Por: LUIS VINICIUS

O presidiário Luciano Mariano da Silva, conhecido como "Marreta", prestou depoimento na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e afirmou que apenas emprestou a caminhonete Ford Ranger ao colega, também detento, Paulo César da Silva, o “Petróleo”. De acordo com a Polícia Civil, o carro foi utilizado por um homem, ainda não identificado, para levar um freezer "recheado" com 86 celulares, à Penitenciária Central do Estado (PCE), no dia 6 de junho.

pce caminhonete.jpg


A informação foi confirmada por uma fonte que participou da oitiva realizada no início da tarde da última segunda-feira (24). 

Para os delegados Frederico Murta e Juliana Palhares, o presidiário, que é considerado um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CVMT), relatou que não teve nenhuma participação na tentativa de colocar clandestinamente os aparelhos no presídio.

Conforme o HNT/HiperNotícicas antecipou, a caminhonete pertence a Marreta e de acordo com uma pessoa ligada a família do detento, o carro ficava sob os cuidados do sogro dele.

Além de Marreta, Petróleo também prestou depoimento na unidade policial. No entanto, o conteúdo da oitiva do faccionado não foi divulgado pela Polícia Civil.

 

Investigação

Paulo César, segundo a Polícia Civil, participou de um encontro com o diretor da PCE, Revétrio Francisco da Costa, e o subdiretor Reginaldo Alves dos Santos, na sala da direção do presídio, no último dia 6 de junho, pouco antes de os aparelhos telefônicos serem apreendidos.

Também participaram do encontro também o tenente do 3º Batalhão da Polícia Militar Cleber de Souza Ferreira, o subtenente do Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) Ricardo de Souza Carvalhaes de Oliveira e o cabo, também da Rotam, Denizel Moreira dos Santos Júnior.

Todos eles, incluindo Marreta e Petróleo, foram presos durante a Operação Assepsia, deflagrada pela GCCO, no dia 18 de junho.

Os diretores encontram-se detidos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Enquanto que Cleber está no 3º Batalhão e as praças no Batalhão de Operação Especiais (Bope).

 

Leia mais

 

Caminhonete que levou celulares à penitenciária é de líder do Comando Vermelho, diz GCCO

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei