Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019, 16h:19

Tamanho do texto A - A+

Stábile sai com tornozeleira, mas pode voltar à cadeia em 30 dias se não arrumar emprego

Por: LUIS VINICIUS

Por determinação do juiz da Vara de Execuções Penais, Geraldo Fidélis, na tarde desta segunda-feira (20) foi instalada tornozeleira eletrônica no desembargador aposentado compulsoriamente Evandro Stábile. Na audiência, o magistrado determinou que Stábile consiga um emprego em 30 dias a partir desta segunda-feira (20), caso contrário ele voltará ao regime fechado.

 

Reprodu??o

evandro stabile

 Evandro Stábile

O desembargador conseguiu progressão após pedido de um dos seus advogados de defesa Akio Maluf Sasaki, na última sexta-feira (17). Stábile estava preso desde o dia 15 de setembro do ano passado, no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Na audiência admonitória, o desembargador assinou termo de compromisso e terá de conseguir um emprego a partir desta segunda-feira. Caso não conseguir, ele deverá voltar para prisão.

Além disso, terá de recolher-se em sua residência diariamente, exatamente no endereço indicado nos autos, no período compreendido entre 22h e 6h do dia seguinte. Ele pode sair, por sete dias, contados da audiência admonitória, para trabalhar ou buscar emprego.

Por outro lado, Stábile foi autorizado a trabalhar, frequentar curso e cultos religiosos. O desembargador não poderá mudar de comarca sem prévia autorização judicial, além de não frequentar lugares inapropriados, como casa de prostituição, casa de jogos, bocas de fumo e locais similares.

Ele também não poderá portar armas, não ingerir bebida alcoólica, não fazer uso de qualquer espécie de substância entorpecente, não se envolver em qualquer tipo de infração penal, seja ela crime ou contravenção.

Stábile foi condenado a seis anos de prisão em 2015, pela prática de corrupção passiva em venda de sentença. Na época, o desembargador aposentado foi acusado de receber R$ 100 mil para manter Diane Alves no cargo de prefeita da cidade de Alto Paraguai.

Conforme o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ela havia ficado em segundo lugar nas eleições de 2008 e foi beneficiada com a "cassação" do vencedor do pleito.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei