Quinta-Feira, 30 de Maio de 2019, 08h:00

Tamanho do texto A - A+

Causas e tratamentos para problema que atormenta milhões

Por: REDAÇÃO

A insônia é um distúrbio que influi na capacidade de adormecer ou permanecer dormindo durante a noite toda, o que pode ser muito prejudicial para a qualidade de vida. No Brasil, cerca de 72% da população é ou já foi afetada pela insônia, o que representa aproximadamente 73 milhões de brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Royal Philips. As causas do problema podem ser as mais variadas, assim como os tratamentos, que podem ir da mudança alimentar ao uso de medicamentos. Neste artigo, separamos algumas dicas sobre os principais causadores e tratamentos para o problema. Confira:

Reprodução

Insonia

Foto ilustrativa

Principais causas

As causas que levam uma pessoa ao quadro de insônia são variadas. Estudos apontam que o problema pode ter origem orgânica e psíquica. A produção inadequada de serotonina pelo organismo e o estresse, por exemplo, podem levar ao quadro. Além disso, a insônia pode ser proveniente de problemas como transtorno de ansiedade ou depressão, pois muitos desses transtornos deixam o organismo em constante estado de alerta. Doenças como câncer, artrite, doença pulmonar, refluxo gastroesofágico, distúrbio da tireoide, entre outras, também podem resultar em insônia.

Mulheres no período da gravidez ou da menopausa, pessoas acima dos 60 anos e pessoas com distúrbios mentais representam o principal grupo de risco para o desenvolvimento do problema.

O surgimento da insônia ainda pode estar relacionado a hábitos alimentares como consumo excessivo de café ou chás que contenham cafeína, ao uso de substâncias como nicotina ou de álcool, que também são estimulantes, pode surgir em decorrência do uso de medicamentos que contenham cafeína em sua composição e ainda pode ter ligação com mudanças do relógio biológico, como em viagens internacionais ou em troca de turno no trabalho, por exemplo.

Outro problema simples que também tem ligação com a insônia é a exposição excessiva à luz azul. Pesquisas indicam que a exposição a esse tipo de luminosidade pode interferir em uma noite de sono bem dormida, pois a luz azul interfere diretamente na produção natural de Melatonina do organismo (hormônio que controla o sono).

Sintomas da insônia

Dentre os principais sintomas apontados por quem sofre de insônia estão: dificuldade em adormecer, despertar diversas vezes durante a noite, sono não reparador (quando a pessoa já acorda cansada), sonolência diurna, dificuldade de concentração, falta de memória recente e dores de cabeça, entre outros.

Como diferenciar de outros problemas

Muitas vezes a insônia pode ser confundida com outros problemas de saúde que também afetam o sono, por isso, ao apresentar qualquer dos sintomas já citados, vale buscar auxílio médico. Dentre os principais distúrbios, além da insônia, que afetam as noites de sono estão:

Transtorno de ansiedade: geralmente, quem sofre de transtorno de ansiedade permanece em estado de alerta e na hora de dormir isso pode ser um verdadeiro problema, já que a pessoa não consegue desligar a mente. Como o transtorno facilmente se confunde com a insônia, a não ser que você já tenha um diagnóstico de ansiedade, procure auxílio médico para tratar.

Apneia do sono: a apneia do sono é outro transtorno noturno que resulta em noites mal dormidas. Trata-se de uma obstrução do fluxo de ar que passa pela garganta enquanto a pessoa dorme, fazendo com que desperte inúmeras vezes para voltar a respirar normalmente.

Bruxismo: é o ato involuntário de se ranger os dentes durante o sono. Quem sofre com o problema geralmente desperta sentindo dores mandibulares e além disso, em longo prazo, há um desgaste dos dentes.

Síndrome das pernas inquietas: o problema caracteriza-se pela necessidade constante de movimentar os membros inferiores para aliviar uma sensação inquietante que dificulta o ato de pegar no sono.

Tratamentos para Insônia

Assim como as causas, existem diferentes tratamentos para a insônia que variam de acordo com a origem do problema. Geralmente, para quem sofre com o problema é recomendada a mudança nos hábitos alimentares como, por exemplo, evitar o consumo de cafeína, substância estimulante que pode estar presente em bebidas como café, chás e chocolates. Da mesma forma, também é indicado não usar medicamentos que contenham cafeína em sua composição e ainda evitar o consumo de refeições pesadas algumas horas antes de dormir.  O consumo de chás, como o de camomila ou de capim-limão, também pode contribuir com a melhora do sono.

Nos casos em que essas simples mudanças não surtam efeito, um médico pode orientar o uso de medicamentos que ajudam no relaxamento do organismo resultando em readequação do sono.

Esse tipo de medicamento tem efeito psicotrópico, tendo como função principal a diminuição do quadro de ansiedade – o que consequentemente influi em um sono melhor.  Para tratamento de insônia, os medicamentos benzodiazepínicos são utilizados por um curto período e com recomendação específica.

Melatonina

Também conhecida como ‘Hormônio do Sono’, a Melatonina é uma substância produzida em nosso corpo pela glândula pineal, responsável por regular o ciclo circadiano, que organiza o relógio biológico e, ao anoitecer, induz ao sono.

As pessoas que têm a produção normal do hormônio e se afastam de fontes luminosas – especialmente da luz azul – costumam ter um bom ritmo biológico, não tendo problemas de insônia. Por outro lado, entre aqueles que têm produção menor ou mais irregular - como idosos - ou até mesmo não produzem adequadamente por causa do estilo de vida - pessoas que trabalham a noite, por exemplo - o uso do suplemento de Melatonina tem uma grande eficácia nesses casos.

Apesar de não causar dependência, uma dose muito alta de Melatonina pode levar à sonolência durante o dia, dor de cabeça, náusea e hipotermia. A dose recomendada do suplemento varia de pessoa para pessoa, mas não deve ultrapassar 5 mg por noite, e deve ser ingerida cerca de duas horas antes de deitar. Por isso, o mais normal é ingerir a Melatonina 3mg que tem a dose correta para fazer o efeito desejado.

Outras medidas

Além da mudança na alimentação e uso de medicamentos, chás ou suplementos, outras medidas podem contribuir para uma noite de sono mais tranquila como, por exemplo, tomar um banho relaxante antes de deitar-se, preparar um ambiente sossegado e silencioso para dormir, e ainda evitar o uso de computadores, tablets e celulares, principais fontes de luz azul. Para quem precisa utilizar esses equipamentos no período noturno, o mais indicado é fazer uso de aplicativos que filtram a luz azul da tela do dispositivo, como, por exemplo, o ‘Modo Noturno’ ou o ‘Filtro de Luz Azul’, deixando passar apenas a luminosidade vermelha. Muitos equipamentos já vêm com esse tipo de filtro em sua configuração, bastando ativá-los no período noturno.

Uma boa noite de sono é indispensável para manter a saúde em dia. Tendo qualquer problema relacionado a distúrbios do sono, não deixe de buscar ajuda!

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas