Segunda-Feira, 22 de Julho de 2019, 16h:46

Tamanho do texto A - A+

Peça de Teatro Colono Sim Bauco Não tem quatro cidades definidas em MT

Por: REDAÇÃO

Os municípios de Sinop, Cuiabá, Sorriso e Lucas do Rio Verde em Mato Grosso, vão receber no mês de novembro deste ano (2019) a peça Colono Sim Bauco Não.

Divulgação

Pe?a de Teatro Colono Sim Bauco N?o tem quatro cidades definidas em MT

As datas previamente agendadas são: 01 de novembro em Sinop (Centro de Eventos Dante de Oliveira), 12 de novembro em Cuiabá (Cine Teatro), 22 de novembro no Centro de Eventos Ari José Ried de Sorriso e 29 de novembro em Lucas do Rio Verde, no Centro de Eventos da cidade.

Pensando nas crianças e adolescentes, o roteirista e ator Fabinho Mezzacasa (Béppi), prepara um texto que vai usar o teatro para tratar da importância do agronegócio na economia e evidenciar como o agricultor e o pecuarista contribuem com a vida de quem está nas cidades.

"Muita gente não se dá conta de que o leite ou o suco de fruta não vem da caixinha ou da prateleira. Tem a mão homem do campo nesse processo e isso precisa ser contado para quem vai tomar conta do país em breve, sem polêmica, debates mas com informação e  diversão," detalha Mezzacasa.

As sessões da tarde serão exclusivas para os estudantes e a noite, paralelamente ao projeto, a dupla vai atender aos adultos, conforme explica, Luciano Vendrame, o Tchó.

"A gurizada exige mais interação, brincadeiras, então vamos ter o tratorzinho que anda no meio da turma, vamos ensinar a tirar leite da vaca, teremos o Show do Milhão que é uma espécie de gincana sobre as culturas do milho, soja, arroz, algodão e outras que fazem parte do que os nossos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul produzem.  A noite  é outro espetáculo, em formato de stand up. Será mais direcionado aos adultos com piadas, causos e outros recursos que usam linguagem mais adulta e que levam a reflexão sobre agronegócio," define Vendrame.

Até o momento 40 por cento dos recursos para a realização dos espetáculos foram arrecadados junto a  empresas que operam com Lucro Real.

A Amazônia Máquinas e a Araguaia (Máquinas e Implementos), Vale do Verde (Armazenagem e Comercialização e o Posto Trevão (Combustíveis) fizeram doações. Uma conta especial para o projeto é acompanhada pelos proponentes e auditada pelo Governo Federal.

O projeto é desenvolvido com o Ministério da Cidadania e a Secretaria Especial da Cultura. Desde os orçamentos, as contas executadas e a aplicação dos recursos, tudo passa pelo acompanhamento e auditoria.

A pretensão é até o mês de outubro arrecadar 100 por cento do valor proposto e estender as peças para Mato Grosso do Sul.

"A gente tem valores determinados por cada conta e a execução deve ser proporcional. Ou seja, a medida que novos doadores se propuserem a entrar, ampliamos o número de cidades," enfatiza Luciano Vendrame.

As empresas doadoras repassam ao projeto valores de impostos que seriam pagos ao Governo Federal.

Todas tem contrapartidas como a exibição de suas marcas em vídeos, reportagens, materiais impressos e outras mídias do projeto, além da liberdade para utilizar as imagens dos personagens em seus materiais de divulgação.

Outras informações nas mídias sociais de Tchó e Béppi e pelos telefones: 66 3515 8852 e 66 9 9955 4232

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto