Sexta-Feira, 09 de Agosto de 2019, 16h:54

Tamanho do texto A - A+

Professores encerram greve e retornam aulas na próxima quarta

Por: ANA ADÉLIA JÁCOMO

HiperNotícias

greve dos professores.jpg


A greve dos professores estaduais de Mato Grosso chegou ao fim após 75 dias de paralisação. Em Assembleia Geral, que ocorreu nesta sexta-feira (9) em frente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), os profissionais decidiram que retornarão às aulas na próxima quarta-feira (14).

Mesmo suspendendo a paralisação, os professores entoam palavras de ordem, afirmando que “a luta continua”. Eles cobram ainda um conjunto de resoluções e a manutenção do estado de greve.

O presidente Valdeir Pereira, disse que na próxima terça-feira (13) a categoria irá participar da paralisação nacional. “O Sintep completa 54 anos de luta, e nos veremos nas lutas”.

Henrique Lopes, diretor do Sintep, enalteceu a resistência dos professores, que chegaram a pedir alimentos nas ruas de Cuiabá, já que tiveram os pontos cortados pelo Governo do Estado.

“Vocês são resilientes. Esticamos a corda até onde deu e temos a capacidade de evoluir. Somos conscientes, resistimos, encaramos o medo, tivemos atitude e fomos éticos. Então, soubemos ter tratamento e se tem alguém que tem que baixar a cabeça são eles pra nós”.

Os profissionais da educação deflagraram greve geral em 27 de maio para reivindicar cumprimento da Lei 510/2013 que trata sobre aumento salarial, convocação dos aprovados no último concurso público e o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) aos profissionais da categoria. 

ANO LETIVO

De acordo com o presidente do Sintep, Valdeir Pereira, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) definirá as datas das reposições, assim que a greve chegar ao fim. Ele afirmou nesta terça-feira (6) ao HNT/HiperNotícias que é “impossível” terminar o ano letivo ainda em 2019.

“Esse ano é impossível. Os dias letivos são encerrados em 22 de dezembro, então pra terminar nesse ano teria que incluir aulas nos sábados e domingos. Já estamos com, em torno, de 50 dias letivos perdidos. A gente nem tem a quantidade de sábados e domingos suficientes esse ano para completar o ano letivo. Não tem mais tempo”, disse ele.

Veja o vídeo da Assembleia Geral:

Avalie esta matéria: Gostei +8 | Não gostei - 4

Leia mais sobre este assunto