Segunda-Feira, 24 de Junho de 2019, 10h:45

Tamanho do texto A - A+

Fecomércio-MT pede retomada e conclusão das obras do VLT em Cuiabá e Várzea Grande

Por: FERNANDA ESCOUTO

A conclusão da principal obra da Copa do Mundo de 2014, na Grande Cuiabá, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), ainda é aguardada pelo Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-MT, que alega prejuízo no comércio devido a paralisação dos trabalhos.

Divulgação

fecomercio

 Sede da Fecomércio-MT

De acordo com o presidente e vice do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-MT, José Wenceslau de Souza Júnior e Manoel Procópio, respectivamente, na época das obras a mobilidade viária da população foi prejudicada, e levou também à ruína dezenas e até centenas de empresas que ladeavam as principais avenidas por onde passaria o VLT – as avenidas da FEB, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça (CPA) e Fernando Corrêa da Costa.

“Nós apoiamos a retomada das obras e sua conclusão, até porque já foram investidos mais de R$ 1 bilhão e as obras já feitas estão apodrecendo, por falta de manutenção. É notório que o VLT vai melhorar a mobilidade urbana de Cuiabá e Várzea Grande. Além disso, o comércio que ainda existe em torno das obras foi muito prejudicado e por isso, pedem a sua conclusão logo”, disse o presidente José Wenceslau.

Para Manoel Procópio, empresário que possui uma loja na região central de Cuiabá, a conclusão das obras vai trazer enormes benefícios para as duas cidades, com destaque para o centro histórico da Capital. “Nós acreditamos que, com as obras concluídas, várias empresas que ainda estão se reorganizando, por causa das obras, terão seus fluxos de clientes reestabelecidos em sua totalidade”.

Posição do governo

Na última semana, o governador do Estado, Mauro Mendes (DEM), afirmou que continua trabalhando alternativas para viabilizar a implantação do VLT, porém a crise financeira instalada no Estado pode atrapalhar.

“Eu tenho uma característica, muito diferente, eu não gosto de ficar falando. Eu tive em Brasília e tive várias reuniões importantes e optei por não ficar divulgando isso. Eu não gosto de ficar colocando muito barulho e pouco resultado. Estou focado nesse problema. É um problema gravíssimo e seríssimo, mas nós não temos dinheiro hoje”, disse Mendes.

No dia 6 de junho, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve a rescisão unilateral do contrato firmado entre o governo do Estado e o Consórcio VLT para execução da obra. A decisão foi dada como acertada por Mauro Mendes, que afirmou que em um prazo de 30 dias anunciaria o destino da principal obra da Copa de Mundo de 2014, na grande Cuiabá.

“Eu vou tentar viabilizar, mas para viabilizar precisa de dinheiro. De sonho e de mentira, todos estão de saco cheio, então não adianta mentir para a população, não adianta jogar para galera. Esse tipo de político que só fala e que não faz, estão aí os resultados, as consequências para todos nós”, pontuou o chefe do Executivo.

(Com Assessoria)

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto