Terça-Feira, 06 de Agosto de 2019, 10h:26

Tamanho do texto A - A+

Contrariando queda nacional, preço da gasolina aumenta em Mato Grosso

Por: KHAYO RIBEIRO

Um balanço semanal divulgado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) apontou que 23 estados brasileiros apresentaram recuo no preço médio da gasolina. O panorama do país, contudo, não foi refletido em Mato Grosso, onde o valor médio do combustível aumentou, chegando a R$ 4,45.

Reprodução

gasolina

 Imagem ilustrativa

Conforme informações da ANP, divulgadas na última semana, o levantamento de julho registrou a 12º queda semanal consecutiva no preço da gasolina no país. A média nacional aponta que o preço do combustível diminuiu de R$ 4,32 para R$ 4,31.

Além de Mato Grosso ter apresentado aumento no preço do combustível, quando considerado todo o país, o estado ainda é o décimo em se tratando de gasolina mais cara.

Dados do levantamento apontam, também, que o preço médio do etanol em Mato Grosso é o menor do país. Porém, a taxa apresentou aumento quando consideradas as quatro últimas semanas, tendo variado de R$ 2,36, no início de julho, para R$ 2,46, na última semana.

Ao HNT/HiperNotícias, o motorista de aplicativo Vinícius Lopes apontou que o acréscimo no valor dos combustíveis já pode ser sentido nas bombas dos postos de gasolina.

“Eu gasto mais ou menos um tanque por dia. Antes, isso dava uma média de R$ 85, agora eu pago uns R$ 12 a mais por dia. Eu rodo de segunda a domingo. Então eu percebi um aumento de, mais ou menos, R$ 70 semanal”, afirmou o profissional.

Atento às variações no valor dos combustíveis, o Procon de Mato Grosso realizou ações de coleta de preços em postos de Cuiabá e Várzea Grande. Ao todo, 44 estabelecimentos comerciais foram fiscalizados e notificados.

Os postos de combustíveis devem apresentar ao Procon documentos fiscais que comprovem o preço pago pelos consumidores.

“A não prestação das informações e documentos solicitados pelos fiscais configura crime de desobediência, segundo o art. 330 do Código Penal (art. 33, § 2º do Decreto Federal n° 2.181/1997), e se submete também à aplicação de sanção administrativa”, aponta o órgão.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto