Terça-Feira, 01 de Janeiro de 2019, 07h:00

Tamanho do texto A - A+

A nova onda PetFriendly

Em tradução livre, significa Amigável aos Pets, e é usado para descrever lugares ou eventos que aceitam os amigos peludos

Por: TALITA MEURER

Arquivo pessoal

Talita Meurer

 

Cuiabá já demorou mais para se adequar às novidades do mundo, mas hoje em dia, com o advento das comunicações, as coisas acontecem quase que simultaneamente, e Cuiabá tem conseguido acompanhar os grandes centros cada vez mais rápido. A prova disso é a última explosão PetFriendly que tem acontecido por aqui.

 

O termo PetFriendly, em tradução livre, significa Amigável aos Pets, e é usado para descrever lugares ou eventos que aceitam os amigos peludos.

 

O fato é que os pets, mais especificamente os cachorros e gatos, subiram significativamente na escala familiar e ganharam status de “parentes/filhos/irmãos”. Isso quer dizer que cada vez mais eles residem dentro de casa, junto com os humanos, e não no quintal.

 

Recentemente, algumas empresas perceberam que estavam ignorando um mercado gigantesco e começaram a oferecer produtos de entretenimento também para os amigos peludos. Em São Paulo e na Região Sul do país, há pousadas especializadas em receber os dogs (e que também aceitam humanos), com trilhas e atividades para todos. Já existem opções de rafting para cães. Há creches/escolas caninas especializadas em entreter os dogs durante o dia, para ‘papais’ que passam o dia todo trabalhando fora, e diversas outras atividades. Além disso, cada vez mais os donos querem sair para passear e ter a oportunidade de levar seu doguinho junto.

 

Cuiabá, nesse sentido, está de Parabéns. Todos os shoppings da capital já permitem animais circulando pelos corredores, um deles inclusive, de olho nesse mercado e tentando fidelizar o público cachorreiro, investiu em um espaço especifico para a diversão canina (e teve muito sucesso). Por aqui também já tivemos uma Trilha Pet, onde os dogs puderam acompanhar seus donos em um passeio pela natureza com direito a banho de cachoeira. E muitos restaurantes estão se adequando, a fim de receber as pessoas para jantar com seus doguinhos ao lado, algo que já é super comum no Rio de Janeiro, por exemplo.

 

Existem duas grandes barreiras a serem transpostas ainda, para que os pets sejam declarados oficialmente aceitos em todos os ambientes: A primeira delas é a crença de que os cães são matéria suja e contaminante, e isso, meus amigos, é cultural e reside no passado. Os cães atuais moram em apartamento, tomam banho e fazem hidratação semanais nos pêlos, e usam sapatinhos ao passear na rua, para não sujar as patinhas. Porém essa crença tende a mudar com o tempo e naturalmente; A segunda, é a crença de que os cães gerarão incômodos aos demais clientes, e essa, não depende da sociedade apenas, mas principalmente dos tutores, que, uma vez querendo levar seus amigos peludos para os lugares, terão que investir em educação e adestramento canino, seguindo sempre as regras de etiqueta e boa convivência.

 

Mas tendo viajado bastante e observado o mundo lá fora, tenho a certeza que não se trata de uma ‘moda passageira’, e que a onda PetFriendly veio para ficar. Cada vez mais os casais jovens adotam cães como ‘filhos’ e estão satisfeitos dessa forma. Cabe agora, aos empresários e empreendedores locais, enxergarem essa onda no início e se adequarem o mais rápido possível, para cativar de antemão, um público que, viajando bastante e antenado com os acontecimentos do mundo, conhece as opções que tem lá fora, e, estando em Cuiabá, ainda está sedento por elas.

 

*TALITA MEURER é Arquiteta e cachorreira. Junto com sua Golden Retriever Lilo, viaja o mundo e registra tudo no Instagram @Lilomochileira. Idealizadora do Projeto #PetfriendlyCuiaba que busca unir a comunidade cachorreira em prol da aceitação dos pets nos estabelecimentos da capital.

Avalie esta matéria: Gostei +17 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas