Segunda-Feira, 29 de Abril de 2019, 09h:17

Tamanho do texto A - A+

Brasil está próximo de se tornar o segundo maior exportador do mundo

Por: REDAÇÃO

Com uma safra de 2 milhões de toneladas e o consumo doméstico estável em cerca de 700 mil toneladas/ano, o desafio para os exportadores de algodão, segundo o presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), Henrique Snitcovski, será atingir a marca histórica de 1,3 milhão de toneladas embarcadas no período de julho de 2018 a junho de 2019, o que representa o excedente desta safra.

Reprodução

algodão

 

De julho de 2018 a março deste ano, o Brasil já embarcou cerca de 1 milhão toneladas de algodão em pluma, sendo que a China foi o principal país consumidor, ao ser o destino de 38% deste volume (ver quadro). “Acreditamos que durante os próximos três meses, que fazem parte do ciclo de exportação da safra 2018, o Brasil irá exportar a maior parte do excedente da safra e se tornar o segundo maior exportador do mundo”, diz Snitcovski.

Ainda este ano, com a expectativa de uma nova safra recorde pela frente, que pode atingir 2,8 milhões de toneladas de algodão em pluma na temporada 2018/2019, segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), o país terá o desafio de aumentar consideravelmente sua participação no mercado internacional. “Além da qualidade da matéria-prima, regularidade no fornecimento e planejamento logístico, é fundamental que o Brasil se mantenha competitivo e presente nos principais mercados consumidores para fortalecer o relacionamento comercial e estar à frente de novas demandas de consumo das Indústrias Têxteis”, aponta Snitcovski.

Apesar das perspectivas positivas, há muito trabalho pela frente, para que o Brasil não alcance apenas um recorde temporário, mas efetivamente se consolide como segundo maior exportador mundial, atrás apenas dos Estados Unidos, que lidera as exportações com mais de 3,5 milhões de toneladas no mesmo período. “A cadeia do algodão atua em conjunto, através de grupos de trabalho, para o constante aperfeiçoamento dos processos existentes e conquista de novos mercados”, afirma Snitcovski.

O último recorde histórico com a exportação brasileira desta commodity foi de 1,03 milhão de toneladas, entre julho de 2011 e junho de 2012. Desde então, o volume embarcado oscilava entre 500 mil e 900 mil toneladas por ano.

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em Mato Grosso a produção de algodão foi responsável por 53,8% dos embarques brasileiros, correspondendo a 106,8 mil toneladas do produto. As exportações no Estado alcançaram a marca de R$ 21.430.293.945 em 2018, superando os R$ 15.187.595.578 de 2017.

Sobre a Anea

Fundada em 2000, a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) tem como objetivo promover institucionalmente o algodão brasileiro nos mercados consumidores e ordenar as exportações brasileiras de algodão, defendendo os interesses da cadeia junto às autoridades públicas e privadas. A entidade foi responsável pela criação de diversos comitês no setor, dentre eles o Comitê de Logística, destinado a identificar problemas de infraestrutura em rodovias, ferrovias, armazenagem e portos.

 

Fonte: Agronewsbrasil 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas