Domingo, 13 de Agosto de 2017, 14h:47

Tamanho do texto A - A+

Loja erra, anuncia em etiqueta TV 55" por R$279, e impede venda a clientes

Por: G1-RN

A venda de TVs LCD de 55 polegadas em um supermercado na Zona Sul de Natal gerou uma confusão entre consumidores e representantes da loja. Aconteceu na tarde deste sábado (12). É que a etiqueta indicava que televisor custava R$ 279. Segundo a loja, o preço estava errado e o certo deveria ser R$ 2.999. Como as vendas foram impedidas, o estabelecimento foi autuado e tem 10 dias para se defender.

 

Divulgação

etiqueta TV

 

Oito clientes tentaram adquirir as TVs pelo preço da etiqueta. Entretanto, os vendedores impediram a compra assim que perceberam o preço. O Procon foi acionado e autuou a loja. O G1 tentou falar com a direção do supermercado, mas não conseguiu contato.

 

Um dos clientes impedidos de fazer a compra foi o administrador de empresas Alan Rodrigo Conceição Alves. Ele contou que os funcionários da loja não deixaram que ninguém levasse as TVs. “Um vendedor arrancou a etiqueta da mão de uma mulher, mas ela já tinha tirado uma foto”, relatou.

 

"A loja não vendeu e foi autuada pelo Procon, que deu 10 dias para que o supermercado explique o que houve. Se ficar entendido que nós estamos certos, a loja terá que nos vender pelo preço que foi anunciado. Ou, ainda pode tentar fazer um acordo conosco", disse Alan.

 

A etiqueta indicava o preço de R$ 279, com possibilidade de ser dividido em até 10 vezes sem juros, ou em 24 vezes com acréscimo.

 

O coordenador geral do Procon, Cyrus Benavides, afirma que, por lei, os consumidores têm o direito de levar o produto com o preço em acordo com o que é exibido na loja. Ele afirma que os fiscais do Procon foram ao local e ordenaram que o supermercado cumprisse a lei. Apesar disso, a empresa se negou.

 

Nesse caso, o órgão lavra um flagrante, indicando que o estabelecimento cometeu oito infrações - número correspondente à quantidade de pessoas que se disseram prejudicadas. Em seguida, é aplicada uma multa de acordo com o faturamento da empresa. “Nesse caso, deve girar em torno de R$ 500 mil”, estimou Benavides.

 

O coordenador do Procon orienta que as pessoas que se sentirem lesadas na situação ainda podem procurar o Juizado Especial para tentar efetivar a compra.

Avalie esta matéria: Gostei +8 | Não gostei - 3

Leia mais sobre este assunto




2 Comentários

Bruna - 18/08/2017

Brasileiros tentando levar vantagem em tudo. Vergonha desses oito "prejudicados".

ezequiel paixao - 13/08/2017

País de mérda. É claro que a empresa errou, e deve ter sido um erro humano de algum funcionário. Agora esse bando de fdp vi buscar seus direitos e com certeza a empresa vai se enrolar. Povo tranqueira que gosta de levar vantagem em tudo. Agora se a empresa for penalizada e quiser passar a penalidade ao funcionário que errou, toma outro ferro. País de povo escroto.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA