Sábado, 05 de Agosto de 2017, 17h:11

Tamanho do texto A - A+

Taques rebate Botelho e diz que a "incompetência do governo" também pode ser dele

Por: PABLO RODRIGO/FELIPE LEONEL

O governador do Estado Pedro Taques (PSDB) rebateu às crítica feitas pelo presidente da Assembleia Legislativa (ALMT), deputado Eduardo Botelho (PSB), que tinha classificado o governo do Estado como "incompetente" por causa do atraso dos projeitos e leis que seriam encaminhados ao Legislativo ainda no primeiro semestre. Para o governador, Botelho também se incluíria no termo incompetente por ser aliado do governo tucano.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro taques

 

“O deputado Botelho é nosso companheiro e amigo, se a incompetência existe, ela pode ser dele, pois ele faz parte do governo, não? E mais um detalhe: o Governo do Estado quando encaminha projetos sem discutir, é tido como autoritário, nós estamos discutindo com todos os poderes”, afirmou Taques neste sábado durante a caravana da Transformação na região do Araguaia.

 

Taques também evitou comentar a cobrança dos atrasos dos repasses do duodécimo, onde Botelho afirmou que o o governador se faz de "surdo e mudo". 

 

“Nós temos que respeitar aqueles que são surdos e mudos, eu não vou dar exemplos de pessoas com deficiência, temos que respeitar estas pessoas, este é o primeiro ponto. Segundo ponto: eu apresentei um projeto na AL para reduzir o duodécimo dos poderes em 15%, eles não aceitaram, a sociedade precisa saber disso. A sociedade precisa saber que o Poder Executivo arrecada e repassa o duodécimo, que é constitucional, mas eu não vou deixar de resolver a saúde para passar duodécimo”. 

 

Pedro Taques também deixou claro que a única pessoa que pode apresentar a PEC do teto, é ele próprio. “Se eu converso muito [com os Poderes], ‘está demorando’, se eu não converso, ‘não está conversando’. Nós temos que conversar e faremos isso. Quem tem a legitimidade para apresentar a PEC do Teto sou eu, legitimamente, e vou apresentar no momento que eu entender oportuno e conveniente”.

 

“O deputado Botelho bem sabe que com a Lei Complementar 156, que foi regulamentada há 35 dias, eu só posso apresentar o projeto da PEC do Teto com os requisitos da Lei Complementar, o deputado Botelho sabe disso, nós vamos conversar com ele, mas é a opinião dele, nós vamos respeitar, mas eu não concordo com ela”., complementou. 

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei