Terça-Feira, 10 de Abril de 2018, 15h:01

Tamanho do texto A - A+

Simplicio rotula Carlos Siqueira como ditador do PSB

Por: FELIPE LEONEL

O aliado do deputado federal Valtenir Pereira, ex-secretário geral do PSB em Mato Grosso, Milton Simplício ficou irritado com a decisão do presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, de destituir o diretório de Mato Grosso e apoiar o deputado estadual Max Russi (PSB) para comandar a agremiação no Estado.

 

Valtenir e Simplicio

 Valtenir Pereira e Milton Simplício

Por meio de uma nota de repúdio, Simplício afirmou que Carlos Siqueira “rasgou” o estatuto do partido, além de desrespeitar a decisão dos membros em Mato Grosso. Lembrando que Valtenir estava no MDB e foi chamado por Siqueira para comandar a sigla em MT. Valtenir usou do poder da caneta e destitui todos os diretórios de MT e nomeou pessoas de confiança.

 

Os nomeados por Valtenir chancelaram seu nome como presidente do partido, além de eleger um Diretório Estadual. Este mesmo diretório apoiou o nome de Siqueira para a reeleição a presidente do partido. Mesmo coma volta de Valtenir Pereira ao MDB, ele iria manter influência na no PSB através de seus indicados.

 

“Essa atitude dele é traição ao seu compromisso como presidente de respeitar o estatuto e seus filiados. Uma pessoa que não sabe ouvir e respeitar a decisão da maioria dos filiados não está apta a dirigir um partido em âmbito nacional”, afirmou Simplício, que ainda classificou a atitude como “ditatorial”, além de ele tratar o PSB como fosse sua propriedade.

 

Divulgação

Carlos Siqueira

Carlos Siqueira, presidente do PSB nacional

Apesar de afirmar ter direito, ele descartou ingressar uma ação na Justiça para não “entrar em contato com esse sujeito” [Carlos Siqueira]. “Sou grato por ter sido recebido de forma calorosa em cada canto de Mato Grosso onde passei organizando as direções municipais do PSB”, disse ao se despedir dos movimentos organizados da sigla.

 

Imbróglio

 

O imbróglio envolvendo o PSB se arrasta desde a votação da reforma trabalhista no Congresso Nacional em meados de 2017, quando o ex-presidente da sigla, deputado federal Fábio Garcia contrariou a orientação partidária e votou a favor da reforma. Após isso, Garcia foi destituído e Valtenir colocado em seu lugar para comandar o partido.

 

A vinda dele ao PSB causou a debandada de vários políticos, como o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes; o presidente da Assembleia Legislativa (AL), Eduardo Botelho; deputados estaduais Professor Adriano; Oscar Bezerra; Mauro Savi, além do ex-secretário da Agricultura Familiar, Suelme Evangelista. A maioria deles estão no DEM, Oscar está no PV e Suleme no PPS.

 

Volta ao MDB

 

Após causar uma devassa no diretório estadual, implodindo o grupo do ex-prefeito Mauro Mendes, Valtenir recebeu o convite para voltar ao MDB. Sua volta já estava acertada e já vinha sendo ventilada desde o começo do ano. Valtenir negou até os últimos instantes sua volta ao MDB, que foi confirmada pelo presidente nacional do PSB, além de integrantes do MDB em MT.

 

Desde então, Carlos Siqueira nomeou o deputado estadual e ex-secretário da Casa Civil, Max Russi para comandar a agremiação. A mudança não agradou Valteni, que gostaria de ter influência no PSB. Sob o comando de Max Russi, a tendência é de a sigla caminhar junto ao governador Pedro Taques, em seu projeto de reeleição, posição contrária à de Valtenir Pereira.  

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto