Terça-Feira, 17 de Abril de 2018, 15h:01

Tamanho do texto A - A+

“Se ofendem por tudo”, diz ex-juíza sobre ‘ditadura das minorias’

Por: FELIPE LEONEL

A juíza aposentada Selma Arruda, pré-candidata ao Senado Federal pelo mesmo partido do presidenciável Jair Bolsonaro, PSL, deverá enfrentar dificuldades para explicar atitudes de seu correligionário. Em entrevista na manhã desta terça-feira (17), à Rádio Capital FM, Selma afirmou que o Brasil precisa de mais “liberdade de expressão” ao tentar defender Jair.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

selma arruda

 Magistrada aposentada Selma Arruda

“O Brasil está precisando de um pouco mais de liberdade de expressão. As pessoas antigamente diziam que se estava em uma ditatura, ou saindo de uma ditadura, mas se tinha muito mais liberdade de expressão”, afirmou Selma Arruda.

 

“Hoje em dia é perigoso você fazer uma piada de loira e você ser ‘loirofóbico’. Tudo não pode tudo, não pode porque existe uma ditadura, dessas ditas minorias, que por qualquer coisa se ofendem por tudo”.

 

Na ocasião, a pré-candidata tentava explicar o sentido da palavra “arroba”, empregada por Bolsonaro para se referir ao peso de quilombolas. Ele foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo crime de racismo. Para a PGR, Bolsonaro equiparou quilombolas com animais ao utilizar a palavra arroba para se referir ao peso.

 

De acordo com Selma, entretanto, a denúncia não teria sido feita para prejudicar a campanha de Jair e defendeu o direito do Ministério Público Federal (MPF) de apresentar a denúncia. Ainda de acordo com Selma, a apresentação da denúncia não significa que ele seja culpado. Conforme a magistrada aposentada, seu pai também utilizava o termo para se referir ao peso dos filhos.

 

“Arroba não é nada ofensivo. Dizer que uma pessoa pesa 4 ou 5 arrobas não quer dizer nada. Arroba são quinze quilos de carne. Se for tirar ao pé da letra, é uma medida de peso absolutamente regular”, defendeu.

 

Ao ser pressionada, Selma disse que não deveria advogar para ninguém e disse responder pelas suas palavras e opiniões. “Eu não tenho essa liberdade, nem procuração dele para falar. As pessoas devem me conhecer, devo mostrar minhas ideias e parar de defender as ideias alheias e de outras pessoas do meu partido”.

 

Invasões

 

Na oportunidade, Selma Arruda voltou a defender o armamento da população e que invasões violentas devem ser contidas a bala. "Declarei e volto a declarar que eu acho que o proprietário rural que tem a sua terra na beira da estrada, perto de um local com infraestrutura e que não é um latifúndio improdutivo, que não é uma terra devoluta, que não é uma terra abandonada, que tem a sua propriedade invadida, deve e pode defender a sua propriedade, sua família e a si armado sim. Sou a favor do armamento. Para fazer esse tipo de defesa não precisa matar ninguém não. Você pode apenas resistir ao que muitos invasores fazem, que é invadir a bala, isso sim. Não pode resistir a uma invasão dessa forma com um pedaço de papel na mão, da lei do desarmamento, abanando, olha aqui meu filho. Não tem forma de fazer isso".

 

Avalie esta matéria: Gostei +5 | Não gostei - 2

Leia mais sobre este assunto




2 Comentários

Carlos Nunes - 17/04/2018

Pra mim...liberdade de expressão é o seguinte: todo cidadão tem o direito de dizer o que pensa. Quando começam fiscalizar, vigiar, punir, o que as pessoas dizem...ou é ditadura ou é comunismo mesmo. Só nos regimes comunistas não existe liberdade de expressão, de opinião, de reclamação, de chiadeira, de botar a boca no trombone. Lá não tem Imprensa, nem sites, nada. Só a versão do Governo é válida. Fico imaginando o Fidel Castro fazendo aqueles discursos compridos de 4 horas, e ninguém podia interromper pra dizer: não concordo com isso, com aquilo. Ninguém ousava interromper...ninguém era louco de contradizer. E Fidel ficou mais de 50 anos no Poder. Aqui, na nossa Democracia, quando Governo é ruim, a gente não aguenta 4 anos...fica louco pra acabar o mandato.

liberdade - 17/04/2018

A liberdade de expressão tem duas vias! se vc pode falar eu posso discordar! Continue, dona selma, com esse discurso ridiculo e desagregador. Pelo que vejo não é mentira tua postura enquanto juiza dita por alguns ex assessores. vc poderia somar mais! agora, tarde demais!

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA