Segunda-Feira, 09 de Outubro de 2017, 08h:11

Tamanho do texto A - A+

Sachetti vê desgaste no governo mas acredita que ainda há tempo para a gestão Taques

Por: RENAN MARCEL

O deputado federal Adilton Sachetti (PSB) afirma que é inegável o momento de dificuldades pelo qual passa o governo do estado de Mato Grosso, sob o comando de Pedro Taques (PSDB), mas acredita que ainda dá tempo de, com seriedade, suportar o impacto da crise gerada pelas prisões de secretários, ex-secretários e de membros de alta patente da Polícia Militar. 

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Adilton Sachetti

 

Para o parlamentar, o desgaste já existe e é evidente, mas é preciso, primeiro, concluir as investigações relativas aos grampos telefônicos ilegais para depois ter real dimensão dos efeitos deste caso do ponto de vista eleitoral. 

 

Sachetti critica o "denunciso pelo denuncismo", mas pondera que não se pode "colocar as coisas debaixo do tapete".

 

"Eu acho que, primeiro, tem que ser esclarecido, ver qual é a responsabilidade que o governador tem sobre isso. Não dá para colocar os carros na frente dos bois. Se tem erro, que cada um pague pelo seu erro. Eu não estou aqui para passar a mão na cabeça de ninguém. Agora, se não tem, não podemos crucificar antes de provar. Acho que hoje tem um execesso de contade de criminalizar as pessoas. A gente precisa ter mais calma com isso", disse o deputado. 

 

Questionado sobre o momento político do atual governo, Sachetti diz que "é um desgaste. Não há quem não veja a dificuldade que passa o governador. Não dá para negar isso e dizer 'está tudo bem'. Mas toda dificuldade, quando é encarada com seriedade, pode ser suplantada". 

 

O posicionamento reforça o disse nessa semana o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Dilmar Dal'Bosco (DEM). Ele disse que as prisões de secretários "mancham" a imagem do governo. O democrata reconheceu o momento difícil, mas diminuiu a situação, comparando ao que acontecia na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que pagava propina aos parlamentares para obter apoio político.

 

"Tem que esclarecer. Mancha, fica ruim, fica. Mas temos que apurar os fatos.  Acreditamos no governador Pedro Taques, estamos fiéis a ele. Eu acredito que o governador em nenhum momento pediu para gravar ninguém. Eu acredito no governador, na lealdade dele, na seriedade dele", disse Dal'Bosco. 

 

Recentemente, dois secretários em exercício, Airton Siqueira (Sejudh) e Rogers Jarbas (Sesp), foram presos por ordem do desembargador do Tribunal de Justiça (TJ), Orlando Perri, por suposto envolvimento na central clandestina de interceptações telefônicas. Eles estariam tentando obstruir as investigações conduzidas por Perri. Somado a isso, houve prisões de ex-secretários, como a do advogado Paulo Taques (ex-Casa Civil) e Evandro Lesco (ex-Casa Militar), além do afastamento do secretário de Comunicação, Kleber Lima. 

 

O próprio governador é investigado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o caso. E o Ministério Público Estadual (MPE) arquivou uma investigação contra o promotor Mauro Zaque referente à fraude no protocolo, encaminhando os autos para a Procuradoria-Geral da República (PGR), "para análise e formação da opinio delicti quanto à pessoa do governador do Estado".

 

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto




2 Comentários

Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo - 09/10/2017

Este!!!Adora dar "PALPITE""". Não é de Nada!!!Só Blá Blá Blá. Durante a vida parlamentar... sempre apagado.... Mais um, para engrossar a lista dos que não tem "CHANCE", para se eleger. CHEGA!! de""Raposas Velhas"""........

Celso Garcia Paulo. - 09/10/2017

Acho morno demais esse deputado Sachetti, aliás todo candidato levado ao pódio como foi o caso desse guindado ao posto por Blairo Maggi. Em Rondonópolis foi eleito por força do ministro para prefeito. Deputado a mesma. A opinião dele é frágil de crédito e peso. Precisa trabalhar mais pra mostrar a que veio.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA