Quinta-Feira, 09 de Novembro de 2017, 13h:55

Tamanho do texto A - A+

PP faz reunião de quase três horas e descarta represália contra Diego Guimarães

Por: FELIPE LEONEL

O Partido Progressista (PP) realizou uma reunião a portas fechadas na noite da última quarta-feira (8) para “aparar as arestas” entre os membros da sigla e vereadores que apoiaram a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB). O encontro aconteceu na sede do partido, no bairro Jardim Cuiabá.  

 

Alan Cosme/HiperNoticias

diego guimarães

Vereador Diego Guimarães

Um dos motivos do encontro também foi a fala do vereador Diego Guimarães, que é membro da sigla, que é da base do prefeito, e foi um dos primeiros a apoiar a abertura da CPI para investigar o chefe do Executivo Municipal. 

 

Diego disse ao HiperNotícias: "como o fato veio à tona depois da eleição, há um entendimento sim e nós podemos investigar. E se não compete à Câmara investigar o prefeito, então podemos parar, fechar o parlamento e deixarmos de trabalhar. Nosso dever é legislar e fiscalizar", afirmou o vereador. 

 

A reunião durou quase três horas e ninguém, exceto o presidente municipal do PP, Demilson Nogueira, quis falar com a imprensa. Segundo ele, o encontro não foi para tratar da saída de ninguém e nem um tipo de represália contra Diego Guimarães, por ter assinado o requerimento contra o prefeito Emanuel Pinheiro. Demilson ainda negou boatos de que membros da sigla estariam pedindo a expulsão do parlamentar do PP.

 

Ednei Rosa/ Secom Câmara

Demilson Nogueira

Presidente do PP Municipal, Demilson Nogueira

“Nenhuma represália, em momento algum, foi proposta aí dentro”, garantiu o presidente municipal. “O motivo de terem assinado a CPI é com eles, tem que ver com cada um [dos vereadores]. O partido não discutiu CPI. A discussão era a condução do partido”, completou Demilson.

 

Porém, a reportagem apurou que na reunião, em que participaram o secretário de Desenvolvimento Econômico de Cuiabá, Vinicyus Hugueney e o secretário de Obras, Vanderlúcio Rodrigues, ambos membros do PP, a CPI do Paletó foi o assunto predominante durante uma boa parte da discussão. O vereador Paulo Araújo também compareceu no encontro.

 

Na pauta da reunião estava a relação do partido com o Executivo Municipal, a relação com os vereadores e “assuntos gerais”.  Todos os vereadores do PP apoiaram a abertura da CPI. Paulo Araújo e Luis Claudio se juntaram aos outros parlamentares quando a abertura da comissão já era inevitável.

 

 

“O partido entendeu [porque os vereadores assinaram a CPI]. Não tem encrenca, não tem nada. O partido aparou as arestas, o Diego é vereador do partido e vai exercer seu papel na CPI, o Paulo Araújo e o Luis Claudio também vão exercer seus papeis na CPI”, finalizou Demilson Nogueira. 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto