Quinta-Feira, 18 de Maio de 2017, 14h:32

Tamanho do texto A - A+

Pivô de interceptações faz ameaça a ex-mulher de Arcanjo; "vou mandar pro inferno"

Por: REDAÇÃO

As investigações da Polícia Civil contra pessoas ligadas a João Arcanjo Ribeiro sobre um possível atentado contra a vida do governador Pedro Taques (PSDB) não tiveram indiciados ou presos, porque as escutas telefônicas, cedidas via decisão judicial, não gravaram nenhum tipo de ameaça ou ato que comprometesse a vida do chefe do Executivo estadual.

 

Assessoria / TJMT

julgamento joao arcanjo

Tatiana Sangalli tentou se casar com João Arcanjo Ribeiro

Conforme documento sigiloso, obtido pela reportagem do HiperNotícias, os investigados Tatiana Sangalli Padilha (suposta ex-amante do ex-chefe da Casa Civil Paulo Taques), Caroline Mariano dos Santos (assessora de Paulo Taques) e José Marcondes Muvuca (jornalista) foram interceptados porque estariam mantendo contato com João Arcanjo Ribeiro, ex-comendador do Estado, que foi preso após investigação de Pedro Taques em 2003, e, possivelmente, montariam um esquema para acabar com a vida do governador.

 

A investigação foi conduzida pelo delegado Flávio Henrique Stringueta e a decisão de quebra de sigilo telefônico foi assinada pela magistrada Selma de Arruda, que autorizou a deflagração sigilosa da Operação Querubin.

 

Porém, o que mais chamou atenção na investigação foi que nenhum tipo de ameaça a Taques foi evidenciado, mas, sim, um jogo de ego por parte da ex-amante de Paulo Taques, que, inclusive, queria se juntar ao João Arcanjo Ribeiro. Tatiana Sangalli queria se casar com o ex-bicheiro e inclusive recebeu um recado de Arcanjo, por meio da filha, Kely Ribeiro Zen, para que ela tomasse cuidado com a jornalista Cida Montenegro, pois a mesma estava separada de Arcanjo mas estava disposta a reatar com ele. 

 

Na interceptação, Tatiana chega a dizer para um rapaz, identificado como Roni, que se Cida entrasse em seu caminho, ela iria "conhecer o dono do inferno". 

 

Reprodução

escutas

 

"O pai dela falou pra mim tomar cuidado coma  Cidade. Que ela vai querer infernizar na minha vida quando descobrir que ele tá comigo (sic)", diz Tatiane. 

 

Na sequência, Tatiana, que é pivô da investigação por querer se juntar a Arcanjo para acabar com Taques, faz uma ameaça à jornalista. "Sabe o que eu falei pra ela? Eu falei: pois é, pode falar pro seu pai que eu to tranquila, porque se ela me infernizar eu apresento o capeta pra ela. Que ela vai ver quem é que manda no inferno..."

 

Segundo o restante da ligação, Tatiana diz que uma conversa que teve com a filha de Arcanjo, ela relata que o ex-comendador não quer saber dela, se referindo a Cida e pede: "o mínimo que você pode fazer é não expor a nossa família", comentou. Após isso, Tatiana disse que iria excluir suas contas do Facebook e Instagran. 

 

Após essa conversa, a autoridade policial pediu que os números investigados por quase 45 dias fossem excluídos do processo por não ter nenhuma relevância na investigação. 

 

Só mágoa com Paulo

 

Antes disso, conforme já foi publicado pelo HiperNotícias,Tatiana Sangalli Padilha foi descrita pelo denunciante como uma garota de programa que “utilizava seu serviços para conseguir vantagens profissionais, como cargos públicos”.

 

Tatiana é apontada como ex-amante de Paulo Taques, que deixou a Casa Civil na semana passada, quando veio à tona o escândalo das interceptações ilegais praticadas no âmbito da Polícia Militar.

 

Segundo o delegado, nas gravações, foi possível descobrir que, de fato, Tatiana teria um “envolvimento com o comendador Arcanjo”. “Mas nos pareceu claro que sua intenção com ele é se dar bem, enriquecer”, concluiu Stringueta.

 

Ela começou a ser alvo dessas escutas em outubro de 2014, em um esquema de “barriga de aluguel”, quando uma decisão judicial autoriza a interceptação telefônica de pessoas alheias ao processo em questão.

 

No relatório, Stringueta conta que foi informado também de que João Arcanjo tinha uma pessoa indicada dentro da Casa Civil, que lhe passava informações.

 

A autoridade policial conta que, nos áudios, foi possível perceber com clareza a mágoa de Tatiana com o ex-secretário.

 

“Segundo ela, [Paulo Taques] a abandonou à própria sorte assim que assumiu esse novo cargo na Casa Civil, não lhe dando a importância devida como amante como ela esperava”.

 

“Em diversas ligações, Tatiana deixa bastante clara sua mágoa contra o Paulo Taques, chegando a dizer que deseja prejudicá-lo no que puder”, traz o relatório.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei - 1

Leia mais sobre este assunto