Sábado, 06 de Janeiro de 2018, 08h:00

Tamanho do texto A - A+

"Nossa meta é evitar que o grupo de Silval retorne ao comando do Estado", diz Wilson

Por: FELIPE LEONEL

O secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB), afirmou que a meta do grupo político do governador Pedro Taques (PSDB) é evitar a volta do grupo do ex-governador Silval Barbosa ao comando do Estado de Mato Grosso. Segundo o secretário, o governo anterior "saqueou" Mato Grosso. De acordo com a Controladoria-Geral do Estado (CGE), o ex-governador liderou desvios de mais de R$ 1 bilhão. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

wilson santos

 

"Nós não podemos permitir que o grupo que governou o estado a pouco tempo retorne. O grande desafio nosso é esse. Cometemos erros? Sim. Tivemos falhas? Sim. Agora não é possível devolver o poder do Estado a um grupo que saqueou Mato Grosso. A grande meta nossa é impedir que o grupo do Silval retorne ao comando", afirmou o secretário, durante vistoria da Trincheira do Santa Rosa, que se chamará Lenine Póvoas. 

 

Wilson ainda disse acreditar que o governador Pedro Taques terá habilidade para manter o grupo político unido. O número de interessados seriam mais do que as vagas ofertadas nesta eleição e poderia haver um “racha” no grupo. No atual arco de alianças, há seis nomes de peso, incluindo o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, o secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, Jayme Campos (DEM) e o vice-governador Carlos Fávaro (PSD). 

 

Somado a isso, ainda tem os nomes do ministro da Agricultura e senador licenciado, Blairo Maggi (PP), do governador Pedro Taques (PSDB) e do deputado federal e postulante a um cargo ao Senado, Nilson Leitão. "O Taques vai ter habilidade para manter todos que o levaram a vitória e, com a manutenção do grupo, eu não vejo dificuldades para vencer as eleições", afirmou o secretário. 

 

Entretanto, são apenas quatro vagas majoritárias: Governo, Vice-Governadoria e duas vagas ao Senado Federal. "É natural haver mais interessados que vagas, mas o Taques tem capacidade extraordinária de superar desafios, cresce diante dos desafios. O talento dele vai fazer com que o grupo se entenda, tem vaga para todo mundo. A reedição da aliança é justamente o que a oposição não quer", afirmou Wilson Santos.

 

 

Oposição desmontada   

 

Ainda de acordo com o secretário, o “sonho” da oposição é abrir uma dissidência na base do governador, pois eles não têm um candidato definido para disputar contra Pedro Taques.  Ele ainda disse que, apesar de os políticos terem os projetos individuais, cada um irá “se curvar ao projeto coletivo”.  

 

No grupo da oposição fala-se no nome do senador Wellington Fagundes (PR) para disputar o governo e mais recentemente ventilou o nome do deputado federal Ságuas Moraes (PT). “Continuo achando que não tem um nome consistente. O Ságuas falou até em desistir da vida pública”, finalizou o secretário. 

Avalie esta matéria: Gostei +4 | Não gostei - 4

Leia mais sobre este assunto




2 Comentários

joaoderondonopolis - 06/01/2018

Mauro Mendes será nosso governador a partir de 1º de janeiro de 2019. E você secretário fica com este governador pra você e Percival, pra MT não serve. E tem mais Blário Maggi (senador) e Jayme Campos (senador), este grupo que vai ser adversário do governador vai eleger também 5 deputados federais e 13 deputados estaduais. Até eu posso estar no meio dos 13 deputados eleitos.

Teka Almeida - 06/01/2018

E a meta do eleitor é EVITAR QUE O GRUPO DO TAQUES CONTINUE NO COMANDO DO ESTADO. Lembrando ao DESAVISADO ai que a maioria que fez parte do grupo do Silval hoje é a SUSTENTAÇÃO DESSE DESGOVERNO.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA