Sábado, 05 de Agosto de 2017, 11h:33

Tamanho do texto A - A+

"Não vamos aceitar arbitrariedade e ilegalidades", diz Taques sobre prisão de ex-secretário

Por: PABLO RODRIGO/FELIPE LEONEL

O governador Pedro Taques (PSDB) classificou a prisão do seu ex-secretário chefe da Casa Civil Paulo Taques como "arbitrária". A declaração curta ocorreu neste sábado (5) durante a "Caravana da Transformação" em Barra do Garças.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro taques

 

"Eu vou falar mais detalhamente sobre a prisão do Paulo Taques na segunda-feira. Mas eu posso dizer o seguinte. Nós não permiteremos arbritariedade e ilegalidades. Não permitiremos isso. E isso falaremos na segunda-feira", disse Taques.

 

O governador também comparou a prisão de Paulo Taques com as outras que ocorreram nos últimos anos, dizendo que a prisão não foi por "roubo".

 

"Só comentando mais uma vez a prisão do Paulo Taques. Ele foi preso preventivamente ou investigado,  sei lá. Ele não foi preso por roubo, como alguns foram presos por aí", disse.

 

Taques também avalia que a prisão do ex-chefe da Casa Civil não afetará de nenhuma forma a sua gestão e também reconheceu a independência do Tribunal de Justiça.

 

"[A prisão] Não afeta o governo. A quem é preso, ele não é condenado, ele não é nem denunciado ainda. Isso vai ser investigado. A lei serve pra todos, o Poder Judiciário é independente e a gente não pode fazer nada. e nem se eu pudesse eu faria. Cabe ao Poder Judiciário Cumprir o seu papel", disse o governador.

 

A prisão foi realizada no final da manhã desta sexta-feira (4) pelo delegado Juliano Silva de Carvalho, titular da Polinter. Paulo Taques foi levado à 10ª vara da capital onde participou de uma audiência de custódia e depois foi encaminhado ao Centro de Custódia da Capital (CCC) onde ficará detido. 

 

O motivo principal que levou o ex-executivo para a prisão preventiva é para evitar qualquer obstrução ao inquérito, já que havia sido comprovado que ele estaria atrapalhando os trabalhos da Polícia Civil nas investigações dos grampos telefônicos ilegais, chamada "barriga de aluguel". 

 

O "Escândalo dos Grampos" veio à tona no dia 11 de maio, quando Paulo Taques deixou a Casa Civil. No dia 14 de maio, o Fantástico trouxe a reportagem mostrando o esquema. 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei



3 Comentários

Luciano - 05/08/2017

Agora chora né . Ministério Público de Mato Grosso defendendo preso pra acabar

Cuiabano - 05/08/2017

Não é roubo, e pior. Bisbilhotar a vida alheia. O autoritarismo do Pedro Araponga Taques está caindo.

Pardal - 05/08/2017

O delegado e o Desembargador cumpriram seu papel de ofício. Foi uma prisão provisória, para reparação dos danos dos grampos as pessoas, que tiveram sua vida exposta e manipulada pelo governo MT, neste caso , Casa Civil... Cabe recurso e ampla defesa... Quem não deve , não teme, mas que o caso veio a público veio....

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA