Segunda-Feira 27 de Março de 2017
pesquisas

Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 10h:14

Tamanho do texto A - A+

Maggi vai recorrer da decisão que deixou parte dos seus bens indisponíveis

Por: PABLO RODRIGO

Na decisão em que afastou o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Sérgio Ricardo, do cargo, juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior também determinou o bloqueio de bens do ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP) e mais sete pessoas, no valor de R$ 4 milhões. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

blairo maggi/Criação de peixes no manso

 

A decisão é parte de uma ação desmembrada da operação Ararath, que investiga a venda de uma vaga de conselheiro no TCE.

 

Além de Maggi e Sérgio, a ação envolve o ex-conselheiro Alencar Soares Filho, o ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes, o empresário Gercio Marcelino Mendonça Júnior, o ex-conselheiro Humberto Melo Bosaipo, o ex-deputado José Geraldo Riva, Leandro Valoes Soares, filho de Alencar Soares, e o ex-governador Silval Barbosa, que também tiveram os bens bloqueados.

 

De acordo com a ação, em 2009, o então deputado estadual Sérgio Ricardo, teria pago R$ 4 milhões ao então conselheiro do TCE, Alencar Soares Filho, para ocupar sua cadeira no TCE. Para descaracterizar o ato ilícito, Alencar teria devolvido a mesma quantia a Ricardo, dinheiro oriundo de uma factoring, com apoio intermediação de Eder Moraes e aval do então governador Blairo  Maggi.

 

Alencar também teria recebido outros R$ 4 milhões das mãos de Gercio Marcelino Mendonça Junior, conhecido como Júnior Mendonça, a pedido de Eder Moraes e com o consentimento de Blairo Maggi. 

 

Junior Mendonça usou sua factoring, Globo Fomento, sob a orientação de Eder Moraes, para abrir crédito. Para ocultar a origem do dinheiro, a empresa de Mendonça fez depósitos e transferências dos recursos para contas de terceiros, sendo eles Leandro Valoes Soares, Leonardo Valoes Soares, Alexandre de Freitas Bezerra e a empresa Paz Administradora, ambos também foram denunciados por lavagem de dinheiro.

 

Assim, Alencar Soares, que já havia recebido R$ 4 milhões de Sérgio Ricardo e gastado metade, ficou, teoricamente, limpo na compra da vaga por parte de Sérgio Ricardo. 

 

De acordo com a denúncia, estas informações foram obtidas por meio de Junior Mendonça, beneficiado com a delação premiada.

 

Em nota o ministro Blairo Maggi disse estar surpreso com a decisão devido ao arquivamento da denúncia pela Procuradoria-Geral da República no ano passado. 

 

 

Veja a nota na íntegra:

 

No dia 26 de abril do ano passado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou o arquivamento de todas as acusações que pesavam contra mim na chamada Operação Ararath. Entendeu o procurador-geral "que não haviam nos autos indícios suficientes de crimes praticados pelo senador Blairo Maggi, nem vislumbra o Parquet outras diligências úteis à formação da justa causa necessária para oferecimento de denúncia no presente caso”. 

 

Por isso, me surpreendeu a decisão, ainda que provisória, do juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, de receber a denúncia contra mim, no processo cível que deriva da mesma Operação. 

 

Sem que absolutamente nada de novo tenha sido acrescido ao processo, o juiz veio na contramão do entendimento do Procurador-Geral da República, a quem coube apurar com rigor as denúncias que geraram o presente feito.

 

Com a consciência tranquila, estou pronto para prestar todos os esclarecimentos à Justiça e, recorrer da medida, por entender não ter sido justa a decisão proferida, ainda que liminarmente.

 

Blairo Maggi.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei








Leia mais sobre este assunto

Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

Prefeito ora por VLT

Silval delator

Contas bloqueadas

Problema do MPF

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas