Terça-Feira, 04 de Dezembro de 2018, 15h:36

Tamanho do texto A - A+

Lúdio Cabral defende a taxação do agronegócio e redução do duodécimo

Por: JESSICA BACHEGA

O deputado eleito Lúdio Cabral (PT) afirma que fará oposição propositiva ao futuro governador Mauro Mendes (DEM),  defende cobrança de impostos de alguns setores e cortes de gastos para que o estado supere a crise. Lúdio é a favor da diminuição das renúncias fiscais e dos duodécimos dos Poderes.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

ludio cabral

 Lúdio diz que fará oposição que contribua

Indagado sobre a expectativa sobre a gestão de Mauro Mendes a frente do estado com grandes dificuldades financeiras, ações por conta de repasses e ameaça de greve pelos servidores, o médico ressalta que os desafios são grandes.

 

“Entendo que a superação dessa dificuldade vai requerer a ampliação de receita e todo o esforço para redução de despesa , desde que isso não comprometa os serviços públicos oferecidos a população.  O servidor público tem que ser valorizado. Toda econômica é bem vista, mas são insuficientes para lidar com os problemas que o estado têm. Ele precisa ampliar a receita. Isso é uma leitura minha, não sei o que pensa o governador. Tudo vai depender das medidas que ele anunciar ao assumir o mandato.

 

Questionado sobre a redução do duodécimo, assunto polêmico que têm sido discutido de forma perene, Lúdio afirma que defende um esforço coletivo de todos os Poderes para redução de despesas, a fim de que esses valores “economizados” sejam direcionados para solucionar problemas que afetam diretamente a população. Ele cita como exemplo a saúde, setor em que atua. 

 

“Se o Executivo, Legislativo e Judiciário direcionar esse recurso para sanar os problemas que o Estado têm, eu considero positivo. Mas, além disso, é importante ampliar a arrecadação”, afirma.

 

Lúdio frisa que fará uma oposição propositiva, que contribua para que as políticas públicas oferecidas  à população sejam melhoradas. “Medidas do Executivo que sejam de melhorias para a população eu vou votar a favor. As que forem negativas eu vou apontar o problema e tentar oferecer meios para a superação dessa dificuldade. Dizer que mais do que cortar gastos, gerar receita já é um caminho para solucionar essa dificuldade que, na minha opinião, uma saída é tributar a grande produção agrícola e reduzir renúncias fiscais”, ressalta.

 

Lúdio foi convocado como testemunha defesa na ação referente a Operação Sodoma 5, que trata de desapropriação irregulares ocorridas na gestão do ex-governador Silval Barbosa (sem partido), porém o interrogatório foi suspenso devido à não intimação de outras testemunhas.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei



1 Comentários

Carlos Nunes - 04/12/2018

Pois é, a marolinha do "esse é o cara do Obama" virou um tremendo tsunami...que levou tudo de bom. Deixou como herança 14 Milhões de desempregados, mais uns 30 Milhões jogados NA MARRA no setor informal, pra sobreviver...e rombo dentro de rombo. Além de uma roubalheira desgraçada. Agora com o caixa dos governos vazios pela crise e pela incompetência também, vão atrás do primo rico - o Agronegócio. No Programa Estúdio Band, o Igor e o Onofre contaram que...o Agronegócio sustenta o Estado faz tempo - anualmente gasta mais de 80 BILHÕES DE REAIS, consumindo equipamentos, tratores, caminhões, insumos, energia, combustível...além de gerar empregos diretos e indiretos. Paga uma porção de taxas, impostos, imbutidos naquilo que consome. Enquanto os governos afundaram...o Agronegócio de Mato Grosso cresceu, ganhou mercados internacionais exatamente porque manteve a qualidade e o preço dos produtos bastante competitivos. A Lei Kandir começou a valer em 1.996, tem 22 anos de vigência, e não apareceu ninguém pra mudar essa Lei, revertendo pro Estado um percentual maior do que a União arrecada. Devia ter feito isso há muito tempo, pois é o Agronegócio que garante até o superávit da balança de pagamentos. Passaram o FHC, o Lula, a Dilma...e nada de mudarem essa Lei. Por que será?

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA