Terça-Feira, 06 de Março de 2018, 14h:15

Tamanho do texto A - A+

Governo quer criar "Programa de Integridade" em todos os órgãos de MT

Por: FELIPE LEONEL

Uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa (AL), de autoria do Poder Executivo Estadual, sugere a criação de Programas de Integridade em todos os órgãos públicos estaduais e autarquias do Estado de Mato Grosso. A participação do programa é voluntária e será oficializada através de termo de compromisso, assinado pelo representante máximo na hierarquia do órgão. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro taques

 

A lei 10.691 prevê a criação dos programas com o apoio do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção. "O Plano de Integridade consiste no conjunto de mecanismos e procedimentos internos de prevenção, detecção e remediação de fraudes, irregularidades e desvios de conduta, contrários ao interesse da Administração Pública", informa trecho da lei. 

 

O texto ainda define como eixos dos planos de "integridade", que serão elaborados por cada entidade interessada, o comprometimento e apoio da alta direção do órgão; análise e gestão de riscos; implementação de procedimentos internos voltados para a integridade; comunicação e treinamento de todos os servidores. Além disso, define também estratégias de monitoramento contínuo e medidas de remediação. 

 

Os planos de integridade serão operacionalizados por servidores, preferencialmente, oriundos de Comissões de Ética do Estado, que deverão "gozar de estrutura física, independência e autonomia." Eles ficariam responsáveis por elaborar relatórios e dar publicidade no conteúdo apurado. A lei também determina a criação do cargo de "supervisor de integridade". 

 

O "supervisor de integridade" ainda poderia se dedicar exclusivamente a nova função. "O Plano de Integridade de que trata o caput deverá ser elaborado a partir do mapeamento de riscos de integridade e da avaliação das medidas existentes, com a finalidade de identificar vulnerabilidades no quadro de integridade do órgão e propor medidas para sua mitigação".

 

O plano deve contemplar também a criação de aprimoramento de padrões éticos; estimular a comunicação e cursos para implementar o plano; divulgação de canais de denúncia; fiscalização de irregularidades internas e externas. Além disso, requer o aprimoramento de ações de responsabilização e redução de danos, além de estabelecer procedimentos internos de gestão de crises.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto