Quarta-Feira, 07 de Fevereiro de 2018, 08h:23

Tamanho do texto A - A+

Governador Pedro Taques prevê colapso na previdência estadual em três anos

Por: DA EDITORIA

Classificada como "farsa", a previdência estadual - MT Prev está prestes a entrar em colapso no prazo de três anos. O governador Pedro Taques (PSDB) traçou cenário negativo sobre o tema, durante a abertura dos trabalhos na Assembleia Legislativa. "Daqui há 11 meses posso não estar mais no governo do Estado, não sou servidor público do Estado de carreira, mas daqui há três anos se não tomarmos providências agora, 30 mil servidores aposentados não terão recursos para bancar a sua previdência".

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro taques

 

Em 2014 foram retirados R$ 450 milhões da Fonte 100 para bancar a previdência. Em 2017, a retirada foi de R$ 958 milhões e em três anos a previsão é retirar R$ 2 bilhões. "Nós vivemos uma farsa na previdência desse estado. Os 30 mil aposentados desse Estado merecem que se diga a verdade. Estamos tentando  junto com o presidente do Conselho Diretor do MT Prev e com os servidores resolver isso".

 

Hoje a alíquota da previdência dos servidores é de 11% e deve aumentar para 14%. Conforme Taques, não será mais suficiente para cobrir os gastos com as aposentadorias. "Já propus isso, fui derrotado, mas vamos propor novamente no momento correto".

 

Os gastos com funcionalismo público tem estrangulado o governo e evitado investimentos. De cada R$ 100 arrecadados, apenas R$ 1,38 é utilizado para investimentos.

 

"Foram concedidos aumentos para os servidores públicos. Me questionaram porque no meu primeiro ano de gestão não ajuizei ações questionando as leis de carreira que foram aprovadas sem impacto fiscal, sem impacto financeiro. Quero dizer a estes que o Supremo Tribunal Federal tem posições consolidadas de que aumentos salariais incorporados ao patrimônio jurídico não podem ser retirados".

 

Economia e repasses aos poderes

 

Taques diz que tem feito o dever de casa para pagar o funcionalismo, custear a máquina, pagar a dívida com a União e com bancos, além dos repasses aos poderes. "Estamos economizando e muito, mas não podemos cortar combustível da viatura, não podemos deixar hospital sem pagamento. Já cortamos o que podia cortar! Repactuamos contratos de R$ 1,1 bilhão. Deixamos de gastar e precisamos avançar mais e investir. De cada 100 reais, apenas 1,38 vai para investimentos. É muito pouco para reformar o museu de Santo Antônio de Leverger e pavimentar a MT- 240 ligando Tangará da Serra a Santo Afonso, por exemplo".

 

Nos últimos anos, os repasses aos poderes tem aumentado muito no Estado de Mato Grosso. De 2011 até hoje, os repasses aos poderes aumentaram 106%, retirada a legislação de 44%, houve aumento real de 67%. "Não sei a culpa de quem, não vim buscar culpados, vim buscar soluções, vim aqui pensando nisso. Precisamos debater esse tema", ponderou o tucano.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 5



5 Comentários

Adalberto Ferreira da Silva - 08/02/2018

Não existe como o Estado ter equilíbrio financeiro sem que o agronegócio pague ICMS, visto que a atividade representa 52% do PIB de MT.

Carlos Nunes - 08/02/2018

Puxa vida! Por que será que a Rede Globo, a Record, o SBT, a Band, não entrevistam a pessoa que mais entende de Previdência no Brasil? Essa Doutora em Economia defendeu sua tese de doutorado em cima da Previdência. Ela discorda totalmente dessa Reforma proposta por esse Governo. Por favor, entrevistem a Doutora DENISE LOBATO GENTIL. Urgentemente. Não acredito muito que vão entrevista-la, porque os maiores patrocinadores das TVs são os banqueiros, e a Dra. vai mostrar que os grandes articuladores da Reforma são os Bancos. Que no final vão encher os bolsos com a Previdência Privada, pois querem fazer teto pra Previdência de cinco mil reais. Alguém vai lucrar a beça com a Previdência Privada. ..os Banqueiros. Uai!

Eduardo Monteiro - 07/02/2018

O culpado deste caos com a Previdencia Estadual e a crise em vive os aposentados de Mato Grosso, é o Governo-Corrupto e Incompetente de DANTE DE OLIVEIRA, que extinguiu o IPEMAT (Instituto de Previdencia do Estado de Mato Grosso) que era um orgão superavitario, e o dinheiro sumiu. No tempo de Frederico e Julio Campos,o orgão além de pagar os aposentados,ainda dava uma belissima assistencia a saúde dos servidores, com convenios Hospitalares por todo Mato Grosso,e até Hospitais de São Paulo, como ex. a Beneficiencia Portuguesa, onde meu pai foi operado do coração pelo Dr. Zerbini, esse orgão continuou bem nas gestões de Bezerra e do Jaime. Quanto Vendeu a CEMAT, por milhões de dollares amercianos,dizia que esse dinheiro iria constituir um novo FUNDO de PREVIDENCIA DO SERVIDOR Publica e esses milhões de reais, foram desviado para a Campanha da Reeleição do Dante em 1998, quando gastou-se milhões e milhões da venda da CEMAT para derrotar o então candidato da oposição Julio Campos,do PFL. Infelizmente isso é verdadeiro.

Tiago - 07/02/2018

Infelizmente não dá pra confiar na palavra desse governador! !! Se entrar um outro governador que saiba mostrar a realidade e as atitudes certas a ser tomadas todos terão que absorver e contribuir para sair da crise. Não nesse achometro que virou esse governo.

Leandro - 07/02/2018

Cadê a equipe do Atos de Pessoal do TCE pra fazer um estudo sobre o caso e ver se o fraco governador tem razão no que está falando ?

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA