Quarta-Feira, 18 de Outubro de 2017, 14h:54

Tamanho do texto A - A+

“Estão pensando no próprio umbigo”, diz líder do governo sobre liminar à oposição

Por: FELIPE LEONEL

O líder do governador Pedro Taques (PSDB), na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), afirmou que a oposição pensa no “próprio umbigo”, em detrimento dos interesses do Estado. A fala do parlamentar aconteceu após o deputado Alan Kardec (PT) conseguir uma liminar do Tribunal de Justiça, na qual determina o prazo de vista da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos de 5 dias.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

dilmar dal bosco

 Deputado Dilmar Dal'Bosco

O presidente da AL, Eduardo Botelho (PSB), já tinha determinado prazo de 24 horas. Dilmar, entretanto, disse respeitar a decisão judicial. “Eu acho que estão pensando no próprio umbigo, de fazer oposição. Não estão pensando, realmente, na situação de Estado. Nós estamos chegando ao caos. O que estão fazendo é tumulto para segurar por vistas”, afirmou Dal’Bosco, na manhã desta quarta-feira (18).

 

Para Dal’Bosco, os parlamentares devem ter mais responsabilidade para votar a emenda constitucional, pois é importante para Mato Grosso, já que vai oportunizar uma economia de mais de R$ 1 bilhão.

 

A Assembleia Legislativa tem até o final do mês de novembro, prazo limite para o estado se inscrever no programa de recuperação fiscal do Governo Federal. Após estar inserido no programa, Mato Grosso vai suspender o pagamento de dívidas para a União por dois anos.

 

 

“Eu entendo que é até cinco dias [o prazo de vista] e cabe ao presidente determinar o período que ele quer. Ele determinou ontem 24 horas. Nós esperávamos que isso fosse respeitado de acordo com o nosso regimento. Agora se tem uma decisão judicial, vamos respeitar a decisão. Nós queremos aprovar a PEC, mas cabe a oposição fazer o que eles podem”, afirmou Dilmar.

 

O dinheiro economizado não poderá ser utilizado para custeio da máquina, apenas para fazer investimentos, prioritariamente na Educação, Saúde e Segurança. Ainda segundo o líder do governo, caso a PEC não seja aprovada até o final do mês de novembro, o governo do estado poderá justificar ao governo federal que enfrentou problemas legislativos. “O governo fez a parte dele e encaminhou para a Assembleia no dia 23 de agosto”, finalizou. 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei - 2

Leia mais sobre este assunto