Quarta-Feira, 10 de Maio de 2017, 08h:04

Tamanho do texto A - A+

Deputado Nilson Leitão usou dados sigilosos da Abin em relatório da CPI da Funai

Por: FOLHA DE SÃO PAULO

O governo Dilma Rousseff (2011-2016) investigou, por meio da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), líderes indígenas e organizações não governamentais contrários a grandes empreendimentos na Amazônia, como as usinas de Belo Monte e Tapajós.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

nilson leitao

 

Relatórios da Abin tiveram seu sigilo levantado e foram transcritos no texto final da CPI da Funai e do Incra por decisão do relator, Nilson Leitão (PSDB-MT), coordenador da Frente Parlamentar da Agropecuária do Congresso.

 

O tucano não questionou a espionagem; pelo contrário, utilizou trechos dos papéis em seu relatório, que pede o indiciamento de dezenas de índios, antropólogos e procuradores que atuam em defesa dos direitos indígenas.

 

ESCRAVIDÃO

 

NOs últimos dias, Leitão ganhou destaque com a proposta da reforma para trabalhadores rurais no Brasil. No projeto, ele admitiu que os trabalhadores tivessem descontado dos salários a moradia e refeições durante horário de trabalho.

 

A proposta gerou críticas de segmentos sociais e partidos de oposição. Porém, um dos principais líderes do PSDB no Brasíl, também criticou o projeto de Leitão, considerando uma "loucura" a propositura.

 

Diante das críticas, ele decidiu retirá-lo para "melhor discussão".

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto