Segunda-Feira, 13 de Novembro de 2017, 17h:43

Tamanho do texto A - A+

Composição da CPI do Paletó gera atrito entre base e oposição na Câmara

Por: FELIPE LEONEL

Abruptamente, o presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, Justino Malheiros (PV), teria encerrado a reunião do Colégio de Líderes, na manhã desta segunda-feira (13). De acordo com o vereador Toninho de Souza (PSD), quando os parlamentares tocaram na CPI do Paletó, Malheiros “desconversou” e imediatamente encerrou a reunião dos políticos.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

toninho de souza

 Vereador Toninho de Souza 

Na reunião deveriam ser definidos os membros da Comissão que irá investigar o vídeo em que Pinheiro aparece enchendo os bolsos do paletó com maços de dinheiro, quando era deputado estadual. “Nós até tentamos falar em CPI, mas o presidente não quis alimentar o assunto e deu por encerrada a reunião”, afirmou Toninho de Souza.

 

O vereador denuncia também uma articulação da base do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB), para tomar o “poder” da CPI. A Comissão será composta por três membros, sendo o presidente o único já definido, o vereador Marcelo Bussiki (PSB), autor do requerimento da CPI. A atribuição de nomear o relator, membro titular e suplentes, é do presidente da Casa.

 

Podem ser membros apenas os signatários do requerimento. Porém, a discussão gira em torno do momento em que os vereadores assinaram, pois, após ser protocolado na Casa, houve a adesão de nove parlamentares da base do prefeito Emanuel. O entendimento da oposição é que valem somente as assinaturas registradas antes de ser protocolizado o pedido.

 

“Há uma movimentação aí para tomada do comando da CPI. Para nós, vale o requerimento protocolado no dia 7, às 13h50. Então é isso que nós vamos exigir na instalação da CPI, a nomeação dos membros considerando a data e hora do protocolo. Qualquer coisa fora disso, é tentativa de manobra”, afirmou Toninho.

 

Segundo Toninho, o tema será o assunto principal da sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Cuiabá, nesta terça-feira (14). “Eles assinaram para estarem no contexto do requerimento, aí eles visualizam o seguinte: o presidente da Câmara vai nomear o relator e um membro titular do lado do prefeito. Nós perderíamos de dois a um”, finalizou. 

 

Questionado pela reportagem sobre a posição dos vereadores, a assessoria do prefeito disse que Emanuel Pinheiro mantém a posição de respeitar a decisão dos vereadores e a independência do Poder Legislativo.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto