Quarta-Feira, 08 de Novembro de 2017, 16h:41

Tamanho do texto A - A+

Como solução para o caos da saúde, Nininho sugere atraso de salário

Por: BLOG DO MAURO

O fechamento da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal de Rondonópolis, por falta de repasses por parte do Governo do Estado, fez com que os deputados estaduais engrossassem o discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, na manhã desta quarta-feira (8). Os parlamentares da oposição e também da base aliada cobraram providências e que o secretário estadual de Saúde, Luiz Soares, compareça ao parlamento para prestar esclarecimentos.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

nininho

 Deputado Nininho, que é da base do governo, fez duras críticas à gestão de saúde

Com base eleitoral em Rondonópolis, o deputado estadual Nininho (PSD) afirmou que o Governo do Estado precisa encontrar uma solução para o custeio da saúde, nem que isso implique em atrasar a folha de pagamento.

 

“Hoje sei que o Estado prioriza a folha de pagamento, mas de nada adianta se perdermos vidas. Não adianta pagar salário de alguns e deixar outros perderem a vida. Hoje tenho vergonha de representar Rondonópolis e saber que não podemos dar nem saúde de qualidade. Que bonito será a Caravana da Transformação na cidade e o hospital fechado porque não tem o mínimo para atender a população”, disparou Nininho.

 

Os atendimentos na UTI Neonatal de Rondonópolis teriam paralisado pela falta de pagamento de salário dos profissionais que trabalham na unidade de saúde. Conforme a deputada estadual Janaina Riva (PMDB), eles estariam há 4 meses sem receber pelos serviços prestados. “Dia 10 a equipe já avisou que vai deixar o município. Estão com o salário atrasado há 4 meses e o secretário sequer deu uma satisfação à Santa Casa”, disse.

 

“Isso nos preocupa, sabemos da dificuldade, da situação do país. Mas foi alertado que se não tivéssemos o mínimo de cautela iríamos chegar nesse caos. Tudo foi anunciado e hoje estamos nos deparando com essa situação inadmissível”, pontuou Nininho.

 

O parlamentar elogiou o secretário Luiz Soares por sua história na área, mas ponderou que se o gestor da pasta não tem autonomia, vira “mera figura que vai manchar a história e sair como incompetente, como quem não deu conta”.

 

“O Luiz veio para fazer. É preciso ter uma repactuação de valores na saúde. Unidades recebendo além do devido. Isso é falta de planejamento. Já se passaram três anos e só agora está sendo corrigido. É preciso haver esse diálogo hospital por hospital para reduzir o valor dos procedimentos. Precisamos da contribuição de todos para que possa fazer ações e atenda todos a contento”, complementou.

 

Conforme Nininho, Rondonópolis atende a 19 municípios da região Sul, o que representa aproximadamente 600 mil habitantes.

 

Também representante do município de Rondonópolis, o deputado estadual Sebastião Rezende (PSC) pediu que o governador em exercício, Carlos Fávaro (PSD) se reúna com a direção da Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis para encontrar uma solução para o problema. “Precisamos resolver com urgência, vidas seguramente podem ser perdidas se não tivermos o restabelecimento dessas UTIs funcionando”, alertou Rezende.

 

Repactuação

 

Para Nininho, o Estado já deveria ter realizado uma repactuação dos valores pagos às unidades de saúde. “Tivemos três anos para repactuar essa saúde que vinha gastando mal. Em Colíder, o hospital vinha recebendo R$ 3,8 milhões para cuidar de 7 municípios. Indaguei o diretor de lá e disse que com R$ 2 milhões ele faria o serviço e ainda melhor. Ele disse que com R$ 2,5 milhões fazia, se gastou três anos errado”.

 

O parlamentar ainda usou para exemplificar sua teoria os gastos do Hospital Regional de Água Boa, responsável pelo atendimento de 11 municípios. “É considerado referência hoje e recebe R$ 600 mil por mês. Por que Água Boa faz saúde de qualidade com R$ 600 mil e o outro precisa de R$ 3,8 milhões?”.

 

“O governo precisa ter uma atitude. Tinha que ter vindo desde o primeiro secretário, não é só o Luiz Soares agora não. Foi malgasto, não houve planejamento e agora estamos pagando o preço. Faço pouco uso da tribuna, sou da base para ajudar, mas quando chega ao extremo, não podemos mais ficar calados. Uma coisa é obra que não acontece, outra é o ser humano que não tem condição de pagar pela saúde particular e perde a vida”, disparou.

 

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Dilmar Dal’Bosco (DEM) ponderou que o atual Governo herdou o Estado em situação delicada. “Tivemos uma intervenção politiqueira nos regionais e pegamos o estado devendo 14 meses de repasse aos municípios, 6 meses aos regionais. Assumimos a viúva e temos que cuidar dos filhos. São mais de R$ 300 milhões deixados para trás”, destacou.

 

O democrata ainda lembrou que houve diversas tentativas de encontrar dinheiro “novo” para a saúde, como pegar parcela do Fethab dos municípios e também do Fethab 2, mas nenhuma delas foi aprovada. A esperança é que a emenda de bancada, no valor aproximado de R$ 120 milhões, prevista para dezembro, traga fôlego para o Estado.

 

Medida emergencial

 

Diante da crise na saúde, o governador em exercício, Carlos Fávaro (PSD), fez aporte emergencial de R$ 30 milhões para a saúde, com a promessa de remeter outros R$ 20 milhões até a próxima sexta-feira (10).

Avalie esta matéria: Gostei +5 | Não gostei - 13



24 Comentários

ZE DA CULTURA - 13/11/2017

VOTAR EM ANALFABETO DÁ ISSO.

Dornele$ - 13/11/2017

Esse deputado não sabe nem se expressar razoavelmente. Só fala asneira!

Leonardo - 11/11/2017

Tem que atrasar salários mesmo. Mas não são os dos servidores, mas sim dos deputados. Corta aí 2 meses de salário dos deputados e mais todas as regalias da Assembleia que vai sobrar dinheiro pra saúde. Deputado mala esse.. comprou o pedágio da rodovia entre Rondonópolis e Primavera do Leste e ainda quer sair de bom moço.. O seu tá guardado deputado. Sua hora vai chegar..

Helena - 11/11/2017

Esse deputado é a expressão do voto errado. Porquê ele não altera a lei para reduzir o repasse financeiro para a assembléia legislativa, dinheiro arrecadado pelos servidores do executivo, que não recebem salário. Alimentamos uma constelação de deputados que não fazem NADA, não produzem NADA!!! A única coisa que os deputados fazem é propor e votar as leis que o Governador Pedro Taques determina. O Legislativo não é um PODER independente, é um apêndice do PODER DO PEDRO TAQUES. VERGONHA DE MT a atual gestão do nosso Legislativo.

joel - 10/11/2017

Eu sugiro que este deputado decolva o dinheiro que ele roubou com a verba para asfaltar a estrada de Paranatinga. Exelentíssimo Ladrão .

Aguinaldo - 09/11/2017

FOI ASSIM QUE ELE TRATOU OS FUNCIONÁRIOS DO MUNICÍPIOS DE ITIQUIRA QUANDO FOI PREFEITO POR 3 MANDATOS. OS FUNCIONÁRIOS CHEGARAM A FICAR COM 6 MESES DE SALÁRIOS ATRASADOS.

Ana claudia - 09/11/2017

Eu sugiro COMPETÊNCIA na gestão, e também no legislativo!

Justiceira - 09/11/2017

Eu sugiro que você devolva o dinheiro da propina, que recebeu na época de Silval e indenize todos os matogrossenses que possam tem morrido, por conta de falta de verba na saúde, no período que foi exercido sua ocupação na assembleia legislativa no tempo de Silval. Deputado nós temos memória. Você não tem reputação nenhuma para dizer o que fazer. Ladrão! Por causa dessa sua atitude e dos 23 deputados delatados, muitas vidas foram tiradas.

Reginaldo - 09/11/2017

Esse deputado é um dos piores da casa dos terrores. Vem mantendo sua família cada vez mais rica mamando nas tetas do estado a tempos. Mas você será escurrasado da politica em nosso estado o povo sabe é pode preparar a perda da concessão do pedágio por que quando sua mão suja não tiver força adeus a contratos superfaturados e fraudulentos.

Luciano - 08/11/2017

ja começou o horario político. agora todo mundo quer fazer campanha 3 anos praticamente defendendo o governo da destruição agora começa a querer aparecer

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2