Terça-Feira, 17 de Abril de 2018, 15h:35

Tamanho do texto A - A+

Com posse marcada, Diego promete voltar à Câmara se CPI do Paletó for retomada

Por: FELIPE LEONEL

O vereador Diego Guimarães (Progressistas) acaba de aceitar o convite do governador Pedro Taques (PSDB) para assumir o Instituto Mato-grossense de Terras (Intermat), no lugar do democrata Cândido Teles. A posse do parlamentar progressista deve ocorrer nesta quarta-feira, às 8h30, na sede do Governo do Estado.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

Diego Guimarães

 

 

Guimarães ainda classificou as especulações de que sua ida para o Intermat seria uma medida para enfraquecer a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó como “teoria da conspiração”. De acordo com Guimarães, caso haja a retomada dos trabalhos da CPI do Paletó, ele voltará à Câmara para acompanhar as investigações.

 

“Essa conjuntura é de quem vive trabalhando com teorias da conspiração. Pensamentos mirabolantes, que fogem da realidade. Eu não tenho conversado com o prefeito e não participaria de qualquer negociata desta, não é meu perfil”, afirmou o vereador Diego Guimarães à reportagem do HiperNotícias.

 

A CPI está suspensa por ordem judicial devido a uma ação ingressada por Guimarães para exigir a recomposição do corpo investigativo. Na avaliação de dele, Adevair Cabral e Mário Nadaf (PV) não poderiam ser membros, pois assinaram o requerimento após ser protocolado na Câmara de Vereadores, em novembro de 2017.

 

“Tão logo a CPI for retomada, independente de isso ocorrer amanhã, daqui seis meses ou um ano, se eu não estiver na Câmara Municipal, retornarei imediatamente. Eu não vou encerrar minha atuação na Câmara sem antes finalizar a CPI do Paletó”, garantiu Diego Guimarães, dizendo ser um feroz defensor da CPI.

 

O convite

 

O convite feito pelo governador Pedro Taques (PSDB) teria sido articulado pelo ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller. Além disso, a ida dele teria aval da Executiva Estadual, apesar de o presidente estadual, Ezequiel Fonseca, querer “distância do governador Pedro Taques”.

 

Ele prometeu fazer uma atuação “mais séria”, focada na baixada cuiabana e elogiou a atuação do democrata Cândido Teles à frente da autarquia. Ele ainda disse estar preparado para o novo desafio, por ser advogado e mestrando em Direito Agroambiental. “Os líderes comunitários entendem a necessidade de ter um trabalho mais sério e aprofundado, com foco em Cuiabá”.

 

Filho da reforma

 

O vereador, egresso da cidade do extremo Norte de Mato Grosso, Guarantã do Norte (709 km de Cuiabá), viveu a reforma agrária até os 8 anos. O pai dele, Vandir Guimarães, que foi prefeito de Guarantã, se mudou para aquela cidade por ser beneficiário da reforma agrária, onde Diego Guimarães nasceu e cresceu.

 

“Eu sou o primeiro filho da reforma agrária a assumir o Intermat. Posso dizer isso. Eu sou filho de Guarantã do Norte, meus pais foram para lá por conta da reforma, em um projeto de assentamento do Incra. Vivi a reforma durante toda minha vida.  É bom sentir e ver isso acontecer. Ser uma peça importante dentro da reforma agrária em Mato Grosso”, afirmou Diego.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1