Quinta-Feira, 05 de Outubro de 2017, 16h:54

Tamanho do texto A - A+

Advogado conta que Soler instalou câmera em uniforme a pedido de Lesco

Por: FELIPE LEONEL

O advogado Reinaldo Josepp, que patrocina a defesa do sargento PM João Ricardo Soler, afirmou que o seu cliente instalou a câmera escondida no uniforme do tenente-coronel José Henrique Soares a pedido do coronel Evandro Lesco. O artifício seria utilizado para gravar o desembargador do Tribunal de Justiça (TJ), Orlando Perri, relator da "grampolândia pantaneira" no Tribunal de Justiça.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

sargento soler/operação esdras

 

O pedido de Lesco a Soler se deu pela "experiência" dele na área, mas o jurista afirma que ele não sabia qual a finalidade da ação. Reinaldo Josepp garantiu também que sargento Soler não teve contato com nenhum dos outros investigados, apenas com o coronel Lesco, que seria amigo de longa data do sargento.

 

"[O Lesco] pediu o auxílio dele para instalação do equipamento tão somente, objetivamente. Ele não cogitou isso [que seria para espionar Perri], mas na verdade existe, por parte do Lesco e o sargento Soler, uma caminhada juntos a longos anos e talvez seja isso que justificou esse auxílio", disse Josepp, em entrevista ao jornalista Paulo Victor Fanaia, do OlharDireto.

  

Josepp afirmou ainda que não pediu a liberdade de Soler e que ele está colaborando com as investigações. "A doutora [Ana Cristina Feldner] está no prazo de conclusão de inquérito. Nós não sabemos se ela vai pedir a dilação disso [prisão]. Após ela concluir esse relatório, nós entendemos que talvez, seria este o momento propício para esse pedido", afirmou Josepp. 

 

João Ricardo Soler foi preso na última quinta-feira (27) na Operação Esdras, por ordem do desembargador Orlando Perri. Na ordem de prisão, Perri afirmou que ele possui conhecimento de equipamentos de espionagem e inteligência e poderia continuar “operando para o grupo criminoso, podendo, com isso, causar embaraço à lisura na apuração dos fatos”.  

  

Sargento Soler está detido no Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) e  prestou depoimento de mais de três horas na manhã desta quinta-feira (5), aos delegados Ana Cristina Feldner e Flávio Henrique Stringueta. 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto