Terça-Feira, 05 de Dezembro de 2017, 16h:10

Tamanho do texto A - A+

Adevair Cabral quer convocar Mauro Mendes e Sintep Cuiabá para depor na CPI do Paletó

Por: FELIPE LEONEL

O vereador Adevair Cabral (PSDB) apresentou um requerimento, na sessão ordinária desta terça-feira (5), para convocar o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB), para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó. A CPI investiga o vídeo do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, no qual aparece enchendo os bolsos do paletó com dinheiro.

 

Mayke Toscano/Hipernotícias

Adevair Cabral

 

O dinheiro era entregue pelo ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Silvio Cezar Correa, para garantir apoio dos parlamentares aos projetos do governo. Os vídeos foram entregues junto com a delação "monstruosa" do ex-governador e de seus familiares, firmada junto à Procuradoria-Geral da República (PGR). 

 

Adevair, que é relator da CPI do Paletó, ainda quer convocar o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Cuiabá, Jaime Metello; o secretário de Serviços Urbanos José Roberto Stopa, além do diretor da Águas Cuiabá, Marcelo de Oliveira. De acordo com Adevair, os convocados poderão dizer se Emanuel tem ou não condições de gerir Cuiabá.

 

"Eu pedi para convidar esses secretários e líderes para fazer um bate papo, porque na peça diz que o prefeito não tem condições de ficar no cargo, então essas pessoas irão dizer se o prefeito está conduzindo a prefeitura de forma correta", disse Cabral, na tribuna da Câmara de Cuiabá, nesta terça-feira.

 

O relator ainda quer o depoimento do presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Cuiabá (Sintep), João Custódio. Somado a isso, o ex-secretário de Estado de Indústria e Comércio, Alan Zanatta deve ser convocado para prestar depoimento. O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) também deve ser ouvido.

 

O vereador Dilemário Alencar (Pros) também quer convocar o irmão do prefeito, Marco Túlio Pinheiro, que seria o beneficiário do dinheiro recebido por Emanuel, além do delegado da Polícia Federal Wilson Rodrigues, além de um perito da PF para falar sobre o áudio encontrado na residência do prefeito e o do servidor que fez a instalação das câmeras na sala de Silvio Cezar. 

 

A CPI é composta pelo presidente Marcelo Bussiki (PSB), o relator Adevair Cabral e um membro, Mário Nadaf (PV) e  tem prazo de 120 dias e pode ser prorrogada pelo mesmo período. A Comissão investiga o vídeo do prefeito recebendo maços de dinheiro e o o áudio do ex-secretário Alan Zanatta e do delator Silvio Correa, apreendido pela Polícia Federal na residência do prefeito. 

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto