Quarta-Feira, 18 de Outubro de 2017, 11h:32

Tamanho do texto A - A+

Polícia prende quatro bandidos que fugiram durante apreensão de 400 kg de cocaína em avião

Por: LUIS VINICIUS

A Polícia Militar prendeu na noite de terça-feira (17) quatro suspeitos que fugiram durante a apreensão de um avião de pequeno porte carregado com mais de 400 kg de cocaína, no último domingo (15), na cidade de Tangará da Serra (244 km de Cuiabá).

 

aviao0.jpg

 

Os criminosos foram identificados como Ricardo Aparecido dos Santos, de 47 anos, Roberto Carlos Pereira, de 51 anos, Sindylan Barbosa da Cruz, de 28 anos e Hélio Fernando Teixeira Marcondes, de 63 anos. De acordo com a Polícia Militar, os detidos confessaram o crime e disseram que receberiam R$ 10 mil para receber os entorpecentes e enterrá-los em uma região de mata.

 

Os policiais disseram que foi possível encontrar os suspeitos após receberem informação de que eles estavam em um avião que saiu da Bolívia e que estavam tentando pegar carona com caminhoneiros para chegar até a área urbana.

 

Após receber a denúncia, os militares foram até o local e conseguiu prender os suspeitos. Ao serem presos, os bandidos disseram que receberiam R$ 10 mil para realizarem o serviço.

 

Todos os criminosos foram encaminhados à Central de Flagrantes e depois encaminhados para a sede da Polícia Federal, em Cuiabá.

 

 

O caso 

 

 

No último domingo, dois homens foram presos pela Polícia Federal e Militar, após serem flagrados transportando 480 kg de cocaína em uma aeronave monomotor. 

 

 

De acordo com informações, os agentes da PF e da Polícia Militar, monitoravam a ação dos criminosos e assim que a aeronave pousou na fazenda, os suspeitos que não foram identificados, foram detidos.

 

Os policiais perceberam que quatro pessoas estavam no endereço para receberem os entorpecentes. No entanto, quando os criminosos observaram a presença dos policiais fugiram a pé deixando um veículo Gol.

 

Os policiais informaram que a ação criminosa dos traficantes estava sendo monitorada há dois meses.

 

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto