Sábado, 14 de Abril de 2018, 10h:25

Tamanho do texto A - A+

Comandante Geral da PM demite soldado flagrado em tentativa de homicídio

Por: FELIPE LEONEL

O comandante da Polícia Militar de MT, coronel Marcos Vieira da Cunha, demitiu o soldado Alex Nunes Vilela, preso em flagrante em 2013, acusado participar de uma tentativa de homicídio, em Várzea Grande. A demissão foi publicada no Diário Oficial do Estado de sexta-feira (13), que circula neste sábado (14).

 

Alan Cosme/HiperNoticias

coronel cunha

 Comandante da PM, coronel Marcos Cunha 

De acordo com a decisão, embasada em solução do Conselho de Disciplina da Corregedoria da Polícia Militar, Vilela infringiu “valores éticos, morais, deveres e obrigações previstos” em diversos artigos do Regulamento Disciplinar da Polícia Militar de Mato Grosso (RDPMMT), dentre eles os artigos 13, 43 e 79.

 

Também contrariou os artigos 44 e 45 do Estatuto dos Militares do Estado de Mato Grosso. “Diante do acima exposto, e com base nos elementos probatórios existentes, resolve: Demitir das fileiras da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso o Policial Militar SD PM Alex Nunes Vilela”, diz o documento.

 

O coronel Marcos Vieira da Cunha também determinou ao comandante imediato de Vilela para recolher os “apetrechos” pertencentes à Fazenda Pública Estadual.  Ele tem cinco dias para entregar os equipamentos ou apresentar uma justificativa. Também determinou a exclusão de seu nome da folha de pagamento.

 

Ele atualmente está no 2º Batalhão da Polícia Militar de Barra do Garças. 

 

Tentativa de homicídio

 

O crime ocorreu em abril de 2013, em um posto, no bairro Ponte Nova em Várzea Grande. Segundo informações da assessoria de imprensa, à época, o militar conduzia um veículo enquanto um comparsa ativara contra a vítima, Wellington João de Magalhães. O fato teria ocorrido por volta das 4 horas da madrugada.

 

Na hora dos tiros, uma viatura do 25ª Batalhão da PM estava próxima e prendeu Alex e o comparsa, Wagner. A vítima, que tem passagens por tráfico de drogas, corrupção ativa e porte ilegal de arma, sobreviveu.

Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei - 21

Leia mais sobre este assunto