Segunda-Feira, 14 de Maio de 2018, 15h:02

Tamanho do texto A - A+

Último investigado é ouvido e coordenador do Gaeco desconversa sobre delação

Por: JESSICA BACHEGA

O deputado Eduardo Botelho foi ouvido na manhã desta segunda-feira (14) e era dele o depoimento que faltava para encerrar o cronograma de oitivas de investigados na Operação Bônus, conforme informou o promotor de Justiça, Marcos Bulhões, coordenador do Grupo de Atuação Especial Contra o  Crime Organizado (GAECO).

 

Alan Cosme/ HiperNotícias

Marcos Bulhoes

 Promotor de Justiça Marcos Bulhões

A ação corresponde a segunda fase da Operação Bereré, que investiga desvio de recursos públicos por meio de contratos fraudulentos entre a empresa EIG Mercados e o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

 

Ao fim dos interrogatórios, o promotor confirmou que o parlamentar é o último a ser ouvido na investigação, mas não comentou sobre o teor dos esclarecimentos prestados pelo interrogado.

 

“O depoimento é a oportunidade que todo investigado tem de dar sua versão. Tudo o que ele diz é colocado no papel. Cabe a ele trazer demonstrações do que está dizendo”, afirmou.

 

Questionado sobre o depoimento do empresário e ex-diretor da EIG, Jose Kobori, Bulhões informou que a oitiva se estendeu até altas horas na sexta-feira (11), mas que será reunido aos autos do processo, que é público.

 

Indagado sobre possíveis tratativas para acordo de delação com algum dos investigados, o representante do Ministério Público Estadual (MPE) desconversou e disse que não iria comentar sobre o tema.

 

Operação Bônus 

A "Bônus" é beseado nos documentos e depoimentos da operação anterior, a "Bereré", e tem por objetivo desmantelar organização criminosa instalada no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) para desvio de (até o momento) cerca de R$ 30 milhões, entre 2009 e 2015. 

 

Na primeira fase, os mandados foram cumpridos na Assembleia Legislativa de Mato Grosso e na casa de Savi e Eduardo Botelho (DEM). O ex-deputado federal Pedro Henry é alvo também. O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Eduardo Botelho (DEM), é outro investigado.

 

O governador Pedro Taques (PSDB) decretou a intervenção do Estado no contrato que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) havia firmado com a EIG Mercados para registro dos contratos de financiamento de veículos com cláusula de alienação fiduciária, de arrendamento mercantil, de compra e venda com reserva de domínio ou de penhor no Estado. A empresa foi alvo da ‘Operação Bereré’ e é apontada como pivô do esquema que teria desviado R$ 27,7 milhões.

 

Pela segunda fase da operação estão presos: Mauro Savi, Paulo Taques, Pedro Jorge Zamar Taques, Roque Anildo Reinheimer e Valter José Kobori.

 

Leia também

Empresário nega pagamento de propina aos irmãos Taques

"Não era de fachada", diz Botelho sobre investigação do Gaeco

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei