Quarta-Feira, 12 de Abril de 2017, 14h:41

Tamanho do texto A - A+

Seis são isentados de fraudes na Sodoma; Faiad e Silval continuam sendo réus

Por: JESSICA BACHEGA

A juíza Selma Arruda, titular da Sétima Vara Criminal, isentou seis investigados na Operação Sodoma 5 das acusações atribuídas à eles pelo Ministério Público Estadual (MPE). A investigação apura desvio des recursos do erário por meio de cobrança de propina do Posto Marmeleiro e da empresa Saga em troca de êxito em licitações junto ao Estado.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

selma arruda

 

Foram contemplados com a rejeição da denúncia os investigados Pedro Jamil Nadaf, Marcel Souza de Cursi, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, Rodrigo Da Cunha Barbosa, Arnaldo Alves de Souza Neto e Karla Cecília de Oliveira. O filho de Silval Barbosa (PMDB), Rodrigo Barbosa e a ex-secretária Karla Cecília já estavam fora da denúncia por conta de decisão anterior.

 

Em sua decisão a juíza justifica a rejeição a denúncia contra os acusados argumentando que não ficou clara a participação dos mesmos na efetivação dos desvios do Estado por meio da cobrança de propina das empresas Saga e Posto Marmeleiro, foco na investigação nesta fase da Operação.

 

A magistrada afirma que não se pode oferecer denúncia genérica e torna-los réus porque poderiam fazer parte da organização criminosa liderada pelo ex-governador. “[...] já que não há na exordial acusatória descrição de quais condutas praticadas”, ressalta a juíza.

 

Com a rejeição da denúncia no tocando aos citados, seguem como réu na ação Silval da Cunha Barbosa, Silvio Cezar Corrêa Araujo, José de Jesus Nunes Cordeiro, Cesar Roberto Zílio, Pedro Elias Domingues de Mello, Francisco Anis Faiad, Valdísio Juliano Viriato, Juliano Cezar Volpato, Edézio Corrêa, Alaor Alvelos Zeferino de Paula e Diego Pereira Marconi que restou comprovado na investigação que cobraram e receberam os valores indevidos das empresas relacionadas.

 

A ação ilícita da organização geraram um desvio de cerca de  R$ 5.132.500,00  entre os nãos de  2013 e 2014. Os valores teriam sido aplicados no pagamento de despesas de campanha de Silval e alidos como Francisco Faiad e Lúdio Cabral que disputaram a prefeitura de Cuiabá em 2012.

 

Leia também:

Juíza rejeita denúncia contra filho de Silval e secretários envolvidos em desocupação irregular

Promotora pede rejeição de denúncia contra a ex-secretária de Pedro Nadaf

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto