Terça-Feira 17 de Janeiro de 2017
pesquisas

Quarta-Feira, 05 de Novembro de 2014, 07h:50

Tamanho do texto A - A+

Ex-prefeito é condenando por contrato irregular com advogada

Além da perda da função pública, os réus tiveram a suspensão dos direitos políticos por três anos.

Por: DA REDAÇÃO


A juíza da Comarca de Porto Alegre do Norte (1.125 km a nordeste de Cuiabá), Luciene Kelly Marciano, condenou o ex-prefeito de São José do Xingu, Vanderlei Luz Aguiar, e as servidoras da Comissão de Licitação, Débora Simone Rocha Faria, Mara Denisia Luz Aguiar, Joselilda Siqueira de Carvalho e Maria Moraes Piagem, a perda da função pública por improbidade administrativa.

Reprodução


A sentença procedente de ação civil pública se deu porque os réus dispensaram ilegalmente de concurso público para fim de contratação de assessoria jurídica a advogada Débora Simone Rocha Faria. A prestação da assessoria jurídica ao município de São José do Xingu acarretou um prejuízo no valor de R$ 46.266,66 aos cofres públicos.

Ao serem notificados os réus alegaram que a declaração de inexigibilidade de licitação ocorreu de acordo com a legalidade; que o autor não teria demonstrado o dano ao erário; que a inexigibilidade decorreria da notória especialização da contratada; e ainda que não teriam conseguido encontrar profissionais disponíveis na região que pudessem prestar o serviço.

Para o Ministério Público, os requeridos agiram em conluio e com consciência da ilicitude de suas condutas, o que configura crime de improbidade administrativa.

LEGISLAÇÃO
Segundo consta nos autos, “Nos termos dos artigos 13 e 25 da Lei 8666/93, a defesa de causas judiciais ou administrativas, considerados serviços técnicos profissionais especializados, devem ser contratados mediante concurso público. Exceto, em hipótese excepcional descrita no artigo 25, inciso II, da Lei 866/93, quando a contratação dos serviços apresente natureza singular e o profissional tenha notória especialização”.

Ocorre que o contrato e o currículo da advogada contratada evidenciam a generalidade e a falta de especialização dos serviços jurídicos prestados por ela.

PENA
Além da perda da função pública, os réus tiveram a suspensão dos direitos políticos por três anos, terão que pagar uma multa civil de R$ 5 mil cada um e foram proibidos de receber benefícios ou incentivos fiscais do Poder Público pelo prazo de três anos. No caso de Vanderlei Luz Aguiar e Débora Simone Rocha Faria, eles ainda vão ter que ressarcir solidariamente o dano de R$ 46.266,66 causado ao erário.
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei
Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

Secretário dá tom de despedida

Conselheiro oficialmente afastado

Bancada de MT que se cuide

Deputados articularam indicação

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas